EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Israel ataca Hamas "em todo o lado", Primeiro-ministro Netanyahu diz que não haverá cessar-fogo

Fogo causado por ataque israelita a Gaza
Fogo causado por ataque israelita a Gaza Direitos de autor AP Photo/Abed Khaled
Direitos de autor AP Photo/Abed Khaled
De  Nara Madeira com AP, AFP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Porta-voz das Forças de Defesa israelitas diz que estão a atacar o Hamas "em todo o lado" na Faixa de Gaza. Primeiro-ministro de Israel recusa cessar-fogo.

PUBLICIDADE

O porta-voz das Forças de Defesa israelitas diz que estão a atacar o Hamas "em todo o lado" na Faixa de Gaza e acusa o movimento de utilizar a parte subterrânea do principal hospital de Gaza, e outros edifícios (entre eles escolas geridas pela ONU), para operações militares e "esconderijos para os terroristas". 

Jonathan Conricus frisava que está a ser violado o Direito Internacional ao pôr-se em perigo a vida de civis. 

O primeiro-ministro israelita continua a rejeitar os apelos a um cessar-fogo. 

Enquanto as tropas israelitas continuam a avançar com tanques e outros veículos blindados sobre a cidade de Gaza, território palestiniano, Benjamin Netanyahu afirmava que os "tempos são de guerra":

"Os apelos a um cessar-fogo são apelos a que Israel se renda ao Hamas, se renda ao terrorismo, se renda à barbárie. Isso não vai acontecer. Senhoras e Senhores Deputados, a Bíblia diz que há um tempo para a paz e um tempo para a guerra. Este é um tempo de guerra".

Os apelos a um cessar-fogo são apelos a que Israel se renda ao Hamas, se renda ao terrorismo, se renda à barbárie. Isso não vai acontecer. Senhoras e Senhores deputados, a Bíblia diz que há um tempo para a paz e um tempo para a guerra. Este é um tempo de guerra.
Benjamin Netanyahu
Primeiro-ministro de Israel

As organizações de ajuda internacional dão conta de que a crise humanitária em Gaza continua a agravar-se. Não há água, alimentos, medicamentos e combustível, suficientes.

O procurador principal do Tribunal Penal Internacional afirmava que impedir a chegada deste apoio aos civis pode constituir um crime de guerra. Karim Khan deixava um aviso claro a Israel: "devem ser envidados esforços visíveis, sem mais demoras, para garantir que os civis recebam alimentos essenciais, medicamentos, anestésicos, morfina". 

Ouvimos relatos de cirurgias que se realizam sem medicamentos básicos, como se estivéssemos na Idade Média.
Procurador do Tribunal Penal Internacional
Karim Khan

Israel tem bombardeado Gaza desde os ataques do Hamas de 07 de outubro, que mataram 1.400 pessoas e fizeram pelo menos 239 reféns, alguns deles entretanto libertados. 

O Hamas garante que mais de 8.000 pessoas foram mortas desde o início dos bombardeamentos de retaliação, por parte de Israel.

Benjamin Netanyahu, que enfrenta um descontentamento crescente pelo fracasso em evitar o pior ataque surpresa ao país em meio século, garante que não tem intenção de demitir-se.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ser criança em tempo de guerra, crianças palestinianas sofrem traumas para a vida

Israel anuncia que atingiu 600 alvos nas últimas 24 horas

Milhares de pessoas pedem em Telavive demissão de Netanyahu e regresso dos reféns