Um morto e mais de 1.300 deslocados devido à tempestade "Ciarán"

Porto de Pornichet, Bretanha, sob a tempestade "Ciarán"
Porto de Pornichet, Bretanha, sob a tempestade "Ciarán" Direitos de autor AP Photo/Jeremias Gonzalez
De  Francisco MarquesEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tempestade "Ciarán" entrou de madrugada pelo noroeste de França com ventos de quase 200 km/hora

PUBLICIDADE

Pelo menos uma pessoa morreu, no departamento de Aisne, a nordeste de Paris, quatro ficaram feridas, mais de 1.300 tiveram de ser deslocadas e mais de um milhão de habitações acordaram esta quinta-feira sem eletricidade, no noroeste de França, devido à chegada a terra da tempestade "Ciarán".

A vítima mortal foi um motorista de pesados e resultou da queda de uma árvore sobre o camião que conduzia, informaram os bombeiros. O acidente aconteceu pelas 04h30 da madrugada (menos uma hora em Lisboa).

Entre os feridos, há três bombeiros sapadores e uma outra vítima da queda de árvores sobre rodovias que ficou com com ferimentos ligeiros.

Pelo menos "1.315 pessoas tiveram de ser deslocadas, nomeadamente para parques de campismo e zonas de acolhimento", anunciou o Ministro do Interior francês.

Gérald Darmanin acrescentou ainda que "várias casas foram também evacuadas em Brest, na sequência da queda de uma grua" e ainda que diversas "árvores foram arrancadas, telhados danificados e os transportes públicos foram fortemente afetados".

O operador de energia gaulês Enedis estima cerca de 1,2 milhões de residências afetadas, das quais 780 mil na região da Bretanha, uma das mais afetadas em França pela depressão, que já provocou "danos importantes na rede pública de distribuição de eletricidade no noroeste do país".

Os aeroportos de Brest e Quimper foram encerrados. A circulação de veículos pesados e transportes coletivos na zona de Côtes-d'Armor foi interrompida, assim como grande parte das ligações ferroviárias no norte de França.

Os departamentos de Finistère, Côtes-d'Armor e Manche, que estavam sob alerta vermelho devido ao vento desde a meia-noite, foram atualizados para laranja, de acordo com as previsões, ao início desta manhã.

Um total de 23 departamentos mantinham-se sob alerta laranja ao longo da costa atlântica e do Canal da Mancha, bem como no sudeste e na Córsega, de acordo com a Météo-France, no boletim das 10h00.

"Não dormi muito. A noite passada foi violenta. Nunca vi nada assim. Há árvores caídas por todo o lado. Vou avaliar os estragos na comuna. Os bombeiros já me falaram de um barracão muito danificado. Em minha casa, o telheiro do jardim está espalhado como um puzzle", declarou à AFP Yves Robin, presidente da Câmara de Porspoder (Finistère), perto de Brest.

"Os ventos mais fortes estão agora a afetar as regiões de Côtes-d'Armor e Manche", refere a Météo-France, com rajadas de 130-140 km/h no interior e 150 a 170 km/h "na costa e ainda mais nos cabos expostos".

De acordo com o relatório, "o vento abranda progressivamente sobre a península de Cotentin durante a manhã, depois sobre a Normandia a partir do meio-dia e, por fim, sobre a região de Hauts-de-France ao fim da tarde".

[Os nomes das tempestades europeias na temporada outono-inverno 2023/24]

No Reino Unido, os serviços meteorológicos alertaram para possíveis inundações e recomendaram aos habitantes do sudoeste de Inglaterra para tomarem precauções.

Na Cornualha, quase 9 mil residências ficaram sem eletricidade e as escolas fecharam em Dorset, Sussex e Hampshire, onde foi declarado um incidente de grandes proporções ou grave

Nos Países Baixos, onde a "Ciarán" deve chegar nas próximas horas, a companhia aérea KLM cancelou todos os voos de e para Amesterdão a partir do início da tarde desta quinta-feira e até ao final do dia, informou o braço neerlandês da Air France.

Outras fontes • AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vila francesa sofre cinco inundações em quatro meses

Agricultores franceses mantêm protestos apesar de novas medidas do governo

Praias de desembarque do Dia D podem ser consideradas Património Mundial da UNESCO