Hamas acusa Israel de bombardear escola e matar pelo menos 20 pessoas

Vítimas dos ataques a Gaza
Vítimas dos ataques a Gaza Direitos de autor AFPTV STRINGER/AFP
De  Nara Madeira com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel admite ter feito explodir uma ambulância, que alega ser usada pelo Hamas. Militantes palestinianos negam acusações e garantem que transportava civis.

PUBLICIDADE

No 29º dia de guerra entre Israel e o Hamas, e enquanto as sirenes voltavam a soar no sul de Israel, um alerta de mísseis, a Faixa de Gaza continuava sitiada e o Exército israelita seguia caminho, a passos largos, em direção à principal cidade do enclave palestiniano.

A ala militar do Hamas garantia que, sexta-feira, que os seus combatentes lutaram contra as tropas israelitas em várias áreas de Gaza e destruíram vários tanques com projéteis antitanque de fabrico local.

O porta-voz das Forças de Defesa de Israel confirmava os combates no terreno, acrescentando que estão a recorrer a ataques aéreos e bombardeamentos, quando necessário.

Bombardeamentos que terão atingido uma escola no norte da Faixa de Gaza. Do lado palestiniano diz-se que o edifício albergava deslocados e que terão morrido, pelo menos, 20 pessoas durante o ataque.

Israel não comentava este incidente mas admitia ter feito explodir uma ambulância, junto ao hospital al-Shifa na cidade de Gaza. Alegando estar a ser utilizado por "uma célula terrorista do Hamas". O movimento desmentia as acusações insistindo que havia pelo menos duas ambulâncias que transportavam pessoas para a fronteira de Rafah e falava em, pelo menos, 15 mortos. Israel, frisava que se trata de "uma zona de guerra" e que os civis foram "repetidamente convidados a partir para sul".

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, dizia-se "horrorizado" com este ataque.

Países árabes reúnem-se em Amã com Blinken

Amã anunciou a realização de uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar na capital jordana, este sábado. No encontro participa o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, um representante da Autoridade Palestiniana.

O chefe da diplomacia dos Estados unidos esteve em Telavive. Com o Primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, discutiu a possibilidade de "tréguas humanitárias" para facilitar a ajuda aos civis palestinianos, mas Netanyahu recusa-se a enveredar por este caminho enquanto o Hamas não libertar os mais de 240 reféns raptados durante o ataque a Israel.

O conflito, que começou há quase um mês, foi desencadeado pelo ataque sangrento do movimento islamista palestiniano Hamas, a solo israelita, de 07 de outubro. Ao qual Israel respondeu, sem "apelo nem agravo", com uma incursão pela Faixa de Gaza que já matou milhares de civis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de palestinianos caminham em direção ao sul da Faixa de Gaza

Ataque aéreo perto do maior hospital de Gaza

Líder do Hezbollah alerta para possibilidade de "guerra total" no Médio Oriente