Olaf Scholz promete ponderar os pedidos de asilo dos migrantes no estrangeiro

Olaf Scholz, chanceler alemão, após o acordo com os estados sobre a política de migração
Olaf Scholz, chanceler alemão, após o acordo com os estados sobre a política de migração Direitos de autor Bernd von Jutrczenka/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Colocar migrantes no estrangeiro parece ser a nova tendência dos países europeus a braços com a crise migratória.

PUBLICIDADE

No caminho do endurecimento da lei da imigração na Alemanha, o chanceler, Olaf Scholz, concluiu o acordo com os governos estaduais após longas e duras negociações. 

Scholz prometeu analisar a eventualidade de pedidos de asilo no estrangeiro. "O nosso objetivo comum é fazer recuar esta migração irregular. Uma coisa é certa: precisamos de melhor proteção das fronteiras externas da Europa e precisamos de uma distribuição baseada na solidariedade na Europa. É por isso que é também necessário que façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que podemos repatriar aqueles que não podem ficar, com mais facilidade do que acontece hoje. Acordos de migração com os países de origem e os países de trânsito são um pré-requisito indispensável para isso", disse.

Colocar migrantes no estrangeiro parece ser a nova tendência. A Itália estabeleceu, na segunda-feira, um acordo com a Albânia, para construir no país dois centros de acolhimento de migrantes.

As ONG's e ativistas que salvam migrantes no mar denunciam a medida como “deportação” e afirmam ser contra o direito internacional.

Na Albânia, a oposição classifica o acordo como “uma traição” e acusa o primeiro-ministro de falta de legitimidade para o assinar.

Sali Berisha, líder do Partido Democrata albanês afirma: "Expressando o meu respeito pela primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, devo dizer que a assinatura de Edi Rama tornou o acordo inválido. É inválido porque Edi Rama é um primeiro-ministro sob investigação internacional, que está disposto a assinar tudo".

Bruxelas solicitou esta terça-feira "informações detalhadas" ao governo de Roma, sobre o acordo assinado na segunda-feira, que visa transferir para a Albânia a recepção dos migrantes e a análise dos seus pedidos de asilo.

Entretanto, um barco que transportava 80 migrantes encalhou ao largo de Lampedusa na noite passada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo Itália-Albânia sobre migração deve respeitar as regras da UE, avisa Bruxelas

Senado francês analisa lei para restringir imigração

UE chega a acordo sobre regras para futuras crises de migração