Senado francês analisa lei para restringir imigração

Manifestantes contestam projeto de lei sobre imigração em França
Manifestantes contestam projeto de lei sobre imigração em França Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Projeto de lei está a gerar controvérsia à esquerda e à direita.

PUBLICIDADE

Dezenas de manifestantes reuniram-se esta segunda-feira, em frente ao Senado francês, que se preparava para começar a debater o controverso projeto de lei que visa restringir as regras da imigração no país.

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, tinha já afirmado no domingo, no canal de televisão France 2,  que a legislação "tem por objetivo ser firme" em matéria de imigração, sendo "mais dura com os estrangeiros que cometem crimes, expulsando-os a todos". 

Com esta medida, o governo pretende reforçar e acelerar o processo de deportação de estrangeiros que são considerados "uma séria ameaça à ordem pública".

As organizações humanitárias veem o projeto de lei como uma ameaça aos direitos dos requerentes de asilo e de outros migrantes e criticam o governo de Emmanuel Macron pelas cedências à direita.

A oposição contesta, por exemplo, a proposta de uma limitação da ajuda médica destinada aos estrangeiros em situação irregular.

Aboubakar Dembele, ativista em nome dos trabalhadores sem documentos, relembra que a questão é também um problema de saúde pública.

"Se um imigrante está doente com uma doença contagiosa, toda a população está em perigo. A saúde dos imigrantes é também a saúde do povo francês”.

A direita, por sua vez, promete vetar a iniciativa legislativa caso a regularização dos trabalhadores clandestinos de determinados setores, como o da construção, da restauração, ou da hotelaria, conste no diploma.

Para Benoît Hamon, ex-ministro e CEO da ONG Singa Global, o diploma é um reflexo da "pura hipocrisia deste governo". 

"Por um lado, temos o Ministro do Interior a dizer: 'Vamos deportar trabalhadores sem documentos', e do temos o Ministério das Finanças a dizer 'Estamos muito felizes em receber os impostos e as contribuições para a segurança social destes trabalhadores sem documentos, que, embora não possuam autorização de residência, têm contratos de trabalho e recibos de vencimento'"

A proposta legislativa será analisada pelo Senado, antes de passar para a Assembleia Nacional, no início de dezembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento francês aprova nova lei de imigração mais restritiva

Centenas de pessoas manifestaram-se contra o racismo e contra projeto de lei governamental, em Paris

Olaf Scholz promete ponderar os pedidos de asilo dos migrantes no estrangeiro