EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Porque é que os dirigentes irlandeses estão dispostos a ser mais duros com Israel do que a maioria

Pessoas passam por um mural pró-palestinianos da artista Emmalene Blake na zona de Harold's Cross em Dublin, Irlanda.
Pessoas passam por um mural pró-palestinianos da artista Emmalene Blake na zona de Harold's Cross em Dublin, Irlanda. Direitos de autor Niall Carson/PA
Direitos de autor Niall Carson/PA
De  Andrew Naughtie, Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma longa história anticolonial e incidentes recentes específicos significam que as relações irlandesas-israelitas são notoriamente tensas para os padrões europeus.

PUBLICIDADE

À semelhança de outros países europeus, a Irlanda assiste horrorizada à morte de milhares de pessoas em Gaza, sabendo que entre elas estarão provavelmente alguns dos seus próprios cidadãos.

Destaca-se um caso particularmente chocante: o de Emily Hand, uma menina de oito anos que se pensava ter sido morta por terroristas do Hamas num kibbutz durante o massacre de 7 de outubro.

O seu pai foi inicialmente informado da sua provável morte, mas os testes de ADN indicaram que o seu corpo não se encontrava entre os restos mortais recuperados do kibutz. Pensa-se agora que ela está viva e é refém em Gaza, o que impõe ao Governo irlandês a necessidade imperiosa de assegurar a sua libertação, se possível, o que exige um intenso trabalho diplomático, uma vez que as hostilidades em Gaza continuam.

Mas na Irlanda, o caso de Hand faz parte de uma realidade política complicada. Enquanto muitos governos europeus hesitaram em criticar o bombardeamento de Gaza por Israel, muitos líderes irlandeses adotaram um tom visivelmente mais duro.

O Taoiseach (primeiro-ministro) irlandês, Leo Varadkar, condenou repetidamente o massacre de 1.400 pessoas pelo Hamas em Israel, mas também afirmou que a resposta de Israel se assemelha a "algo mais próximo da vingança".

Durante uma conferência internacional de ajuda a Gaza organizada pelo Presidente francês Emmanuel Macron, em Paris, Varadkar afirmou que o incumprimento do direito humanitário "não pode ser inconsequente".

O Presidente irlandês , Michael D Higgins, acusou o governo de Benjamin Netanyahu de violar as normas internacionais em matéria de direitos humanos.

"Anunciar antecipadamente que vai violar o direito internacional e fazê-lo contra uma população inocente, reduz todo o código que existia desde a Segunda Guerra Mundial sobre a proteção dos civis e reduz tudo a farrapos", afirmou Higgins, em meados de outubro, quando a campanha aérea em Gaza começou a ceifar cada vez mais vidas civis.

Os seus comentários foram criticados pela embaixadora israelita em Dublin, Dana Erlich, que o acusou de estar mal informado e sugeriu que a impressão geral que Israel tem da Irlanda é de um preconceito anti-israelita inconsciente.

Higgins também tem criticado a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que, segundo ele, foi "imprudente" na sua reação inicial à explosão das hostilidades.

Enquanto muitos governos da Europa Ocidental permanecem quase em sintonia, por que razão os dirigentes irlandeses são visivelmente mais ambivalentes nas suas declarações públicas sobre as ações de Israel?

Longas memórias

Por um lado, as relações entre os dois países não têm sido das mais calorosas nas últimas duas décadas. Em 2010, foi revelado que agentes da Mossad, os serviços secretos israelitas, tinham utilizado passaportes falsificados para viajar à paisana para o Dubai, onde assassinaram um líder do Hamas.

Entre os documentos de viagem falsificados encontravam-se passaportes irlandeses, alguns dos quais com números de passaporte genuínos roubados.

Na altura, os ministros irlandeses alertaram para o facto de as ações da Mossad poderem ter colocado em risco os viajantes irlandeses. Seis anos após o incidente, o então embaixador de Israel na Irlanda recusou-se a garantir que o mesmo não voltaria a acontecer.

De ambos os lados da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, muitos nacionalistas irlandeses identificaram-se com a causa palestiniana durante décadas, vendo nela um paralelo com a sua própria resistência à violência militar do Estado britânico.

PUBLICIDADE

Esta ressonância ainda se faz sentir atualmente. O Sinn Fein, o maior e mais antigo partido que defende a reunificação da Irlanda, deverá liderar o próximo governo em Dublin, e a sua líder, Mary Lou McDonald, deixou bem claras as suas opiniões sobre Israel.

Em 2021, durante um grande surto de violência israelo-palestiniana, disse ao parlamento que Israel tinha de ser condenado como um "regime racista e de apartheid" e fundamentou o seu apelo à criação de um Estado palestiniano na grande narrativa da história irlandesa.

Mas, como disse à Euronews o senador irlandês independente Tom Clonan, ele próprio um antigo militar, embora a experiência de colonização da Irlanda a torne uma espécie de outlier na Europa Ocidental, a maioria dos seus políticos e da sua população não tem uma visão negativa da existência de Israel.

"Os irlandeses apoiam Israel e acreditam na legitimidade do Estado de Israel", afirmou.

PUBLICIDADE

"Temos laços fortes em termos de comércio e existe uma grande diáspora de israelitas irlandeses. Chaim Herzog, o presidente de Israel durante a maior parte da década de 1980, era um irlandês-israelita que cresceu em Dublin! O que criticamos são as ações do governo de Netanyahu.

"O Hamas cometeu verdadeiros ataques genocidas a 7 de outubro, violando todas as leis relativas aos conflitos armados, o que continua a fazer em Gaza. Mas, ao mesmo tempo, as forças armadas israelitas não conseguiram dar uma passagem segura aos idosos, aos doentes, às mulheres grávidas, etc., como lhes é exigido pelas Convenções de Genebra. A expulsão forçada de civis das suas casas, os disparos contra hospitais, escolas e zonas civis - tudo isso e muito mais é proibido.

Acções que ultrapassam o limite

A líder do Sinn Feinncondenou o ataque do Hamas de há um mês, mas também está a criticar Israel por "ignorar" os apelos a um cessar-fogo. E, à semelhança dos líderes partidários à esquerda do Sinn Fein, também pediu a expulsão da embaixadora israelita em Dublin devido às ações de Israel desde 7 de outubro.

Varadkar rejeitou esse pedido, salientando que nem sequer o embaixador russo foi expulso e avisando que a expulsão de Erlich iria "desempoderar" Dublin, numa altura em que esta tenta retirar 40 cidadãos irlandeses de Gaza.

PUBLICIDADE

Entretanto, os parceiros de coligação de Varadkar, o partido de centro-direita Fianna Fáil, receberam Erlich na conferência anual do partido no passado fim de semana. A sua presença foi recebida com indignação pela esquerda, mas o líder do partido e atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Micheál Martin, defendeu a decisão do governo de não a expulsar, salientando que isso resultaria provavelmente na expulsão do próprio embaixador da Irlanda em Israel, no momento em que tentam salvar Emily Hand e os outros cidadãos irlandeses presos no fogo cruzado.

A voz da Irlanda na Europa continua a ser uma voz distinta. Clonan sugere que, uma vez que a Irlanda tem passado por um processo de paz difícil no seu país, os seus dirigentes estão talvez particularmente atentos à duplicidade de critérios quando se trata da proteção de civis em conflito.

"Fiquei muito consternado quando Ursula von der Leyen se deslocou a Telavive e deu um apoio absolutamente incondicional a Israel", diz ele. "É preciso lembrar que, quando a Rússia atacou a rede elétrica na Ucrânia, ela disse que atingir alvos civis era um crime de guerra.

"Gostaria de a encorajar a refletir sobre isso e a olhar para as ações de Israel também por esse prisma."

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vozes dissidentes sobre a guerra estão a ser silenciadas em Israel

Um mês de guerra sem sinal de um cessar-fogo

"Paz, por favor": os artistas de rua europeus reagem à guerra entre Israel e o Hamas