EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Vozes dissidentes sobre a guerra estão a ser silenciadas em Israel

Cenário de destruição por ataques israelitas em Gaza
Cenário de destruição por ataques israelitas em Gaza Direitos de autor Adel Hana/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Adel Hana/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Shona Murray
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israelitas críticos, incluindo professores universitários, jornalistas e políticos, têm sido visados por se manifestarem.

PUBLICIDADE

Em Israel, no meio do trauma do massacre de 7 de outubro perpetrado pelo Hamas e da subsequente ofensiva militar israelita em Gaza, as vozes dissidentes foram silenciadas.

Os palestinianos dizem temer ser presos se forem acusados de se terem pronunciado sobre a guerra - incluindo gostar ou partilhar mensagens no Facebook.

Israelitas críticos, incluindo professores universitários, jornalistas e políticos, têm sido visados por se manifestarem.

A política árabe-israelita Aida Touma-Suleiman, que condenou o ataque brutal do Hamas contra os israelitas, diz que está impedida de mostrar a mesma compaixão pelos palestinianos em Gaza.

"Já não passeio com os meus netos porque não quero que ninguém saiba que são meus netos. Há um enorme incitamento contra todos os que se atrevem a protestar contra esta guerra ou a revelar um pouco de empatia pelo que está a acontecer em Gaza. Não nos é permitido sequer chorar por uma criança palestiniana que tenha sido morta lá", afirma.

Em fevereiro passado, o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, criou um grupo de trabalho destinado a controlar os discursos de ódio contra o Estado de Israel.

Nas últimas semanas, o sistema judicial israelita tem mantido em prisão preventiva os acusados de violar a lei - os juízes dizem que é necessário, dado que o país está em "tempo de guerra".

Amir Badran e Itamar Avneri são aliados políticos palestinianos e judeus que estão a trabalhar numa abordagem conjunta para combater o medo e o ódio que se deteriorou gravemente entre as duas comunidades.

Amir Badran afirma : "Judeus e árabes têm medo, mas os árabes continuam a ser ameaçados. São feitas muitas detenções de jovens, e não só de jovens, por coisas de nada que fizeram nas redes sociais". Por um 'like' que colocam ou uma simples fotografia que colocam são imediatamente confundidos com terroristas, com pessoas que apoiam o Hamas".

Itamar Avneri diz: "Os judeus estão muito ansiosos, têm medo. Têm muito medo, há uma guerra em Gaza. As pessoas também estão ansiosas e há tensões entre judeus e árabes em Israel. É muito natural, mas estamos a tentar reduzir a tensão, estamos a tentar reduzir a tensão e evitar que a violência irrompa".

Um funcionário do governo israelita disse à Euronews: "Israel monitoriza o incitamento e investiga todos os casos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE pede contenção a Israel face a crise nos hospitais em Gaza

Milhares de pessoas em Israel exigem libertação dos reféns e demissão de Netanyahu

Porque é que os dirigentes irlandeses estão dispostos a ser mais duros com Israel do que a maioria