EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Paz, por favor": os artistas de rua europeus reagem à guerra entre Israel e o Hamas

Obra de arte original da dupla de artistas de rua LeDiesis
Obra de arte original da dupla de artistas de rua LeDiesis Direitos de autor LeDiesis 2023
Direitos de autor LeDiesis 2023
De  Andrea Carlo
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De murais e mosaicos a pinturas digitais e cartazes políticos, a Euronews Culture analisa a reação dos artistas de rua da Europa à guerra entre Israel e o Hamas.

PUBLICIDADE

As guerras e os conflitos são sempre o combustível para as formas mais potentes de imaginação artística, como a "Guernica" de Picasso ou a "Liberdade Guiando o Povo" de Delacroix ou a poesia de Wilfried Owen.

A luta permanente entre israelitas e palestinianos e a batalha sangrenta sem precedentes entre Israel e o Hamas estão também a deixar marcas nas ruas de todo o mundo.

A Europa é o lar de alguns dos artistas de rua mais conhecidos do mundo, desde o britânico Banksy ao italiano Blu, que têm chamado frequentemente a atenção para o conflito israelo-palestiniano através das suas obras de arte.

Como é que os artistas de rua europeus estão a comentar a recente escalada dos combates?

1. "Another World is Possible" (Londres, Reino Unido)

Poucos conseguem fazer com que o mundo reaja - e que os meios de comunicação social fiquem em suspenso - como o enfant terrible do mundo da arte, Banksy.

Não é de surpreender que quando um mural semelhante aos de Banksy apareceu numa parede da Edgware Road, em Londres, no início de outubro, bastou a simples menção do nome do artista (ou pseudónimo) para que a imprensa se agitasse e os fãs se aglomerassem.

O mural mostra três indivíduos a puxar um braço robótico com cordas, acompanhados pela frase pintada com spray "Outro mundo é possível".

O estilo é inconfundivelmente banskiano. Mas será que o esquivo artista de Bristol está por detrás desta nova criação? Trata-se de uma referência à guerra israelo-palestiniana ou de um comentário sobre a influência crescente da inteligência artificial e da tecnologia na sociedade?

Ninguém sabe ao certo, pois Banksy ainda não respondeu. Dado o momento em que a obra foi criada e o interesse de longa data do artista pelo conflito israelo-palestiniano, há quem estabeleça uma ligação com o recente aumento das hostilidades, vendo-a como um comentário à "atual ordem mundial".

2. '#ResistTheOccupation' (Nápoles, Itália)

O premiado fotógrafo e artista Eduardo Castaldo já se tornou conhecido como um fervoroso apoiante da causa palestiniana, utilizando a sua arte para sensibilizar para a situação dos que vivem em Gaza e na Cisjordânia.

Por isso, o ativista napolitano de 46 anos não demorou muito tempo a mobilizar os seus recursos criativos para os combates entre Israel e o Hamas.

No mês passado, Castaldo remodelou um anúncio da Nike "Just Do It" para um cartaz pró-palestiniano intitulado #ResistTheOccupation. O jogador de basquetebol DeMar DeRozan foi transformado num lutador de rua palestiniano, enquanto a sua bola de basquetebol foi pintada e transformada num cocktail Molotov.

O trabalho polémico de Castaldo foi interrompido depois de as forças da ordem o terem levado para uma esquadra da polícia local. O artista italiano afirma ter sido sujeito a quatro horas de interrogatório e multado em 400 euros.

Castaldo publicou o vídeo no seu Instagram, juntamente com uma declaração criticando as ações israelitas.

3. 'God's land grab' (Bergen, Noruega)

Um olhar rápido sobre o mural do artista de rua norueguês AFK não evoca imediatamente imagens de um Médio Oriente devastado pela guerra. Uma peça delicada e floral pintada sobre uma porta neoclássica no centro de Bergen (Fosswinckels Gate), parece desprovida de quaisquer conotações políticas evidentes.

No entanto, uma inspeção mais atenta revela tons mais sombrios escondidos. Arame farpado, placas de betão lascado e caveiras pintam um quadro de sofrimento e desolação. A tinta escorre dos lírios brancos e alegres - o próprio mural de AFK está a chorar, uma representação tanto da inocência perdida como do renascimento após o tumulto.

"God's land grab", o mural de AFK foi inspirado no trabalho de Gabor Maté, um especialista em traumas húngaro-canadiano e sobrevivente do Holocausto.

AFK criou o mural no final de 2022, mas voltou a usá-lo nas suas redes sociais em resposta ao conflito.

PUBLICIDADE

Numa publicação no Instagram, o artista fez uma reflexão detalhada sobre os recentes acontecimentos em Israel e Gaza.

"Os meus pensamentos estão com as famílias afetadas e o meu coração dói pelas pessoas inocentes mortas neste conflito", afirmou.

AFK (acrónimo de "Away from [the] Keyboard") é um stenciller e escultor norueguês, ativo desde 2013 em vários países europeus. Um grande apoiante do fundador da Wikileaks, Julian Assange, o seu trabalho é de natureza profundamente política e reconhecível pelas suas imagens vívidas, domínio técnico e forte utilização de tons rosa e roxo.

4. 'Peace, Please' (Online)

Uma rapariga enrolada numa bandeira palestiniana está em frente a uma parede rachada, onde está escrita a palavra "Paz". Em bicos de pés, acrescenta um "L" e um "S", transformando a palavra em "Por favor".

É uma imagem pungente, que, sem dúvida, chamaria a atenção de qualquer transeunte.

PUBLICIDADE

E, no entanto, não se encontra em nenhuma rua. Trata-se antes de uma forma de arte digital de rua, a mais recente criação do pintor italiano Dido, que vive em Roma, e que já suscitou grande interesse nas redes sociais.

O pintor em ascensão cria arte de rua simulada, que depois publica na sua conta do Instagram. Embora muitas das suas pinturas não sejam abertamente políticas, ele interpola certos temas sociais no seu trabalho, desde as alterações climáticas à crise europeia dos migrantes.

No que diz respeito à sua última criação, Dido fez questão de sublinhar que - apesar de poder parecer uma mensagem exteriormente pró-palestiniana - a sua obra de arte visa centrar-se nas experiências das vítimas de guerra e não em quaisquer sentimentos políticos.

"Por muito que concorde com a causa palestiniana, este trabalho não deve ser interpretado como um protesto contra Israel, mas sim contra qualquer tipo de guerra e violência", disse à Euronews Culture.

5. 'Peace & Love' (Ravenna, Itália)

Não é muito frequente ouvir falar de mosaicos, do conflito israelo-palestiniano e de Banksy ao mesmo tempo.

PUBLICIDADE

E, no entanto, um artista de rua italiano conseguiu fazer o aparentemente inconcebível.

Giovanni Magnoli, conhecido como "Refreshink", é um artista de rua italiano ativo desde a década de 1990. Em homenagem ao icónico stencil "Flower thrower" de Banksy, um mural de 2003 na Cisjordânia, Refreshink decidiu criar a sua própria versão, "Peace & Love", em forma de mosaico.

A obra de arte de Refreshink pode ser encontrada no Museo d'arte de Ravenna - uma cidade do norte de Itália, classificada pela UNESCO, conhecida pelos seus magníficos mosaicos bizantinos e pela sua exposição bianual de mosaicos.

6) "Na unidade acreditamos" (Roma, Itália)

Há mais de quatro anos que a dupla feminista Lediesis, sediada em Florença, leva o poder feminino para as ruas de Itália, colocando as suas pinturas características de mulheres famosas vestidas como heroínas de filmes de ação em cidades de toda a península. O seu objetivo? "Brincar, subverter os papéis tradicionais de género", especialmente num país onde as mulheres enfrentam obstáculos consideráveis tanto na sua vida profissional como pessoal.

A última instalação de Lediesis mostra duas raparigas, vistas por trás, abraçadas uma à outra. O que parece ser uma imagem incontroversa de amizade feminina é transformado pelas bandeiras nas costas das raparigas - uma palestiniana, a outra israelita.

PUBLICIDADE

Foi criada pouco depois do ataque a Gaza e afixado nas ruas do gueto judeu de Roma. Lediesis quis retratar uma imagem de amor e amizade que transcendesse as fações, especificamente contada através de uma perspetiva feminina e espelhando a amizade das próprias artistas.

Como ilustram os comentários no post do Instagram, há quem não tenha visto com bons olhos a última criação de Lediesis, acusando-a de criar uma "falsa" equivalência entre os dois lados que branqueia o contexto histórico do conflito.

A dupla mantém-se firme no seu desejo de se desligar de quaisquer conversas políticas.

"Não tomamos posições políticas e não achamos que seja fácil abordar o tema num momento tão delicado", disseram à Euronews Culture. "Tudo o que podemos fazer é trazer uma mensagem de esperança na escuridão da noite."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marcha silenciosa reúne figuras da cultura em Paris pela paz no Médio Oriente

San Gennaro: Um tesouro acessível

Cabra de cerâmica do rei Carlos III é vendida em leilão por 13 000 euros