Quem é o "Trump neerlandês", o populista anti-islão Geert Wilders?

ARQUIVO: Na foto de arquivo de sexta-feira, 3 de novembro de 2017, o líder da extrema-direita holandesa, Geert Wilders, fala à imprensa no parlamento federal belga em Bruxelas.
ARQUIVO: Na foto de arquivo de sexta-feira, 3 de novembro de 2017, o líder da extrema-direita holandesa, Geert Wilders, fala à imprensa no parlamento federal belga em Bruxelas. Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Foi acusado de crimes raciais e precisa de proteção de segurança 24 horas por dia, 7 dias por semana, devido a todas as ameaças de morte que recebe.

PUBLICIDADE

O partido de extrema-direita PVV, de Geert Wilders, ganhou o maior número de lugares nas eleições gerais neerlandesas de quarta-feira.

Mas quem é o homem que quer ser o próximo primeiro-ministro dos Países Baixos?

Wilders, de 60 anos, tornar-se-á em breve o membro mais antigo do parlamento neerlandês, marcando o seu quarto de século no cargo no final deste ano.

Tem sido uma carreira marcada por controvérsia, ameaças violentas, acusações de discurso de ódio e processos em tribunal para o político de cabelo louro oxigenado, por vezes conhecido como o "Donald Trump holandês".

A sua inflamada retórica anti-islâmica também fez dele um alvo para os extremistas e levou-o a viver sob proteção permanente durante anos. Apareceu em tribunal como vítima de ameaças de morte, jurando nunca ser silenciado.

Em 2009, o governo britânico recusou a sua visita ao país, alegando que representava uma ameaça à "harmonia comunitária e, por conseguinte, à segurança pública", e foi condenado por insultar marroquinos num comício eleitoral em 2014.

Líder do PVV Geert Wilders com Fleur Agema em Haia, 23 de novembro de 2023
Líder do PVV Geert Wilders com Fleur Agema em Haia, 23 de novembro de 2023Phil Nijhuis/AP

Para atrair os eleitores tradicionais, desta vez, Wilders procurou centrar-se menos naquilo a que chama a "desislamização" dos Países Baixos e mais na resolução de questões polémicas como a falta de habitação, a crise do custo de vida e os cuidados de saúde.

No entanto, a sua plataforma de campanha exige um referendo sobre a saída dos Países Baixos da União Europeia, um "fim do asilo" e "nada de escolas islâmicas, Alcorões e mesquitas". Anteriormente, comparou o Alcorão ao Mein Kampf de Adolf Hitler.

Wilders foi membro da Câmara dos Representantes pelo Partido Popular para a Liberdade e a Democracia, de centro-direita, onde foi mentor de um jovem futuro primeiro-ministro, Mark Rutte, antes de abandonar o partido e criar o seu próprio Partido para a Liberdade.

É também um firme apoiante de Israel e defende a transferência da Embaixada dos Países Baixos para Jerusalém e o encerramento do posto diplomático holandês em Ramallah, sede da Autoridade Palestiniana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Baixos apostam na extrema-direita mas obrigam Wilders a fazer alianças

Cinco coisas que aprendemos com as eleições nos Países Baixos

Extrema-direita prepara-se para tentar formar governo nos Países Baixos