SIDA pode deixar de ser ameaça à saúde pública em 2030, diz ONU

ONUSIDA sublinha que foram feitos grandes progressos, mas há ainda muito trabalho por fazer.
ONUSIDA sublinha que foram feitos grandes progressos, mas há ainda muito trabalho por fazer. Direitos de autor AP Graphic
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conclusões são apresentadas no relatório publicado para assinalar o Dia Mundial da SIDA, 1 de dezembro.

PUBLICIDADE

Um novo relatório da ONUSIDA, com o nome "Let communities lead" (Deixem as comunidades liderar), mostra que a SIDA pode deixar de ser uma ameaça para a saúde pública até 2030, mas apenas se as comunidades na linha da frente forem financiadas e os obstáculos à ação destas comunidades forem eliminados.

O relatório foi publicado para assinalar o Dia Mundial da SIDA, 1 de dezembro.

Angeli Achrekar, diretora executiva adjunta da ONUSIDA, diz que foram feitos grandes progressos: "Estamos a celebrar o facto de termos assistido a um enorme progresso na resposta global ao VIH", diz. "As mortes por SIDA, por exemplo, diminuíram quase 70% desde que atingiram o seu pico no início da década de 2000. O número de novas infeções é agora menor do que nunca. São grandes os progressos que os países de todo o mundo têm feito".

No entanto, Achrekar não deixa de notar que há ainda um grande trabalho por fazer: "Há 1,3 milhões de novas infeções por VIH que ocorrem todos os anos. Isso é apenas o que vimos no ano passado e é impressionante. Significa que estamos a deixar grandes populações para trás e não estamos a colmatar as lacunas que precisam de ser colmatadas", acrescenta.

39 milhões de pessoas em todo o mundo viviam com o VIH em 2022. O relatório sublinha que a defesa da comunidade, das ruas aos tribunais e aos parlamentos, deu frutos e garantiu mudanças inovadoras nas políticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19 e desigualdades agravam VIH/SIDA

Angola combate transmissão de VIH de mãe para filho

Conflito agrava prevalência do VIH na Ucrânia