Frustração no Dubai a dois dias do fim da cimeira da ONU sobre o clima

Ativistas tingem de verde as águas do Grande canal, em Veneza, para chamar a atençãos dos participantes na cimeira do clima no Dubaii
Ativistas tingem de verde as águas do Grande canal, em Veneza, para chamar a atençãos dos participantes na cimeira do clima no Dubaii Direitos de autor Extinction Rebellion via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A eliminação progressiva dos combustíveis fósseis é um dos principais obstáculos. Líderes da OPEP instam os seus Estados-membros a bloquear quaisquer artigos que visem os combustíveis fósseis.

PUBLICIDADE

A dois dias da conclusão da cimeira da ONU sobre o clima, no Dubai, crescem os receios de que os avanços sejam reduzidos. "Estamos a fazer progressos, mas não suficientemente rápidos nem satisfatórios", afirmou o presidente da COP28, Sultan al-Jaber, numa sessão plenária.

De facto, foram anunciados alguns acordos, mas até agora nada de sensacional nem de inovador. De acordo com os participantes, mesmo o texto da declaração final ainda está longe de ser acordado.

Toeolesulusulu Schuster, negociador de Samoa para o clima, afirmou, desalentado: "É muito lento. Especificamente em domínios como a adaptação. Ainda não há texto. É frustrante, para ser honesto convosco. Não estamos aqui para desistir ainda. Estamos aqui a longo prazo porque queremos um bom resultado para continuarmos vivos".

A eliminação progressiva dos combustíveis fósseis é um dos principais obstáculos, uma vez que, na sexta-feira, os líderes da OPEP instaram os seus Estados-membros a bloquear quaisquer artigos que visem os combustíveis fósseis.

Globalmente, os participantes admitem que ainda estão muito longe do principal objetivo do acordo de Paris, que é limitar o aquecimento global a 1,5 graus centígrados.

Os ativistas climáticos de todo o mundo manifestam a sua frustração com a forma como está a decorrer a 28ª edição da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima. Em Veneza, o grupo "Extinction Rebellion" tingiu a água do Canal Grande em protesto contra o "fracasso da COP28", enquanto penduravam da ponte de Rialto uma faixa onde se lia "COP28: enquanto o governo fala, nós estamos por um fio".

Em Lisboa, numa marcha, os ativistas apelidaram a COP28 de "uma anedota que ultrapassa cada vez mais os limites do absurdo" e voltaram a questionar a razão pela qual uma das maiores potências petrolíferas do mundo organiza um evento deste tipo. 

Nas ruas de diversas cidades pelo mundo a exigências é a mesma: o bloqueio de todos os novos projetos de combustíveis fósseis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países anunciam milhares de milhões de euros na COP28 para apoiar agricultura

COP28 aprova acordo histórico para transição global dos combustíveis fósseis

Avisos da ciência impõem na COP28 urgência de agir para travar o aquecimento global