"O prognóstico para a economia russa não é bom", diz o enviado da UE para as sanções

"O prognóstico para a economia russa não é bom", diz o enviado da UE para as sanções
Direitos de autor euronews
De  Shona Murray
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews conversa com David O'Sullivan, o enviado da UE para as sanções, sobre as lacunas, a economia da Rússia e as críticas sobre a resposta do bloco europeu à guerra no Médio Oriente.

Enquanto o Ocidente continua a sancionar a Rússia pela invasão da Ucrânia, algumas empresas estrangeiras entraram na luta e estão a fornecer aos militares russos tecnologias proibidas pela União Europeia, Estados Unidos e Reino Unido.

O enviado especial do bloco europeu para as sanções, David O'Sullivan, tem viajado para países terceiros com o objetivo de limitar a evasão às sanções.

Ouça este episódio de "The Global Conversation" clicando no leitor de vídeo acima, ou leia a entrevista completa abaixo.

"Vai haver sempre um certo grau de evasão"

Shona Murray, Euronews: David, o seu trabalho é o de enviado para as sanções, mas suponho que o que está a tentar fazer é garantir que o potencial das sanções é maximizado, de modo a que outros países do mundo ou entidades privadas não as subestimem. Fale-nos um pouco do seu papel.

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: É exatamente isso. Temos um conjunto de sanções sem precedentes contra a Rússia, mais do que alguma vez sancionámos qualquer outro país. 60% das importações que vinham da Rússia e 55% das nossas exportações para lá estão sob sanção. E é muito importante garantir uma aplicação efetiva. Uma parte disso, que é da minha responsabilidade, é contactar os países que não se alinharam com as nossas sanções.

Shona Murray, Euronews: Então, o que diria que seria um trabalho bem sucedido da sua parte? E por esta altura, no próximo ano, espera que esses bens e infraestruturas essenciais não sejam encontrados no campo de batalha na Ucrânia?

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: Bem, já se está a tornar mais difícil para a Rússia adquirir esses bens. Temos de ser realistas: vai haver sempre um certo grau de evasão… Há dinheiro envolvido, muitos destes produtos já foram vendidos a outros países e estão à venda no mercado livre. Por isso, se alguém quiser comprá-los, eles ainda estão disponíveis. Mas o nosso principal objetivo - e acho que estamos a ser bem sucedidos - é tornar mais difícil, lento e caro o acesso da Rússia a estes produtos.

Rússia depende cada vez mais de "produtos de substituição" da China

Shona Murray, Euronews: No entanto, preocupa-o que a Rússia reoriente a sua economia e seja capaz de ter todas estas exportações de potências como a China?

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: O que é preciso lembrar é que estes produtos - e a maioria deles são tipicamente semicondutores, circuitos integrados e leitores de fibra ótica, cartões de memória flash, … São coisas que têm uma aplicação civil perfeitamente inocente em circunstâncias normais. Mas são, em grande parte, fabricados com tecnologia dos Estados Unidos ou da União Europeia. Não são facilmente replicados noutros países.

Por isso, é difícil para a Rússia obtê-los, uma vez que deixámos de os exportar e persuadimos os países intermediários a deixarem de os exportar para a Rússia. E sim, vemos alguns indícios de que se está a tornar muito mais difícil. Estão a utilizar produtos de substituição, por vezes vindos da China mas que, para ser franco, são de qualidade inferior. Portanto, isto está a dar aos militares ucranianos uma certa vantagem tecnológica no campo de batalha.

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções, fala com Shona Murray, da Euronews.
David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções, fala com Shona Murray, da Euronews.Euronews

Para os europeus, a guerra na Ucrânia é "uma situação diferente" da guerra entre Israel e o Hamas

Shona Murray, Euronews: As coisas mudaram para si desde o ataque do Hamas a 7 de outubro? Porque vimos críticas de pessoas como o Rei Abdullah da Jordânia, que estava preocupado com o facto de a União Europeia no que diz respeito ao direito internacional humanitário que protege os palestinianos, não ter a mesma preocupação que relativamente aos ucranianos.

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: Penso que eles compreendem que, para os europeus, esta é uma situação diferente. A Rússia atacou a Ucrânia sem qualquer provocação. A Ucrânia não representava absolutamente nenhuma ameaça para a Rússia. Trata-se de uma invasão em grande escala de um país soberano. Acho que as pessoas percebem porque é que nós, na Europa, temos de reagir com muita força. As ambições de Putin de restabelecer a hegemonia russa na sua vizinhança imediata é algo que não podemos aceitar. É por isso que, enquanto europeus, temos uma obrigação especial nesta situação.

É claro que, na minha opinião, também tomámos uma posição firme em relação ao que está a acontecer no Médio Oriente. Mas não me parece que as pessoas vejam isto como uma espécie de escolha binária. Costumo dizer que podemos gerir mais do que uma crise de cada vez.

A Rússia está a "canibalizar a economia"

Shona Murray, Euronews: Ouvimos alguns Estados-membros do bloco europeu dizer que as sanções contra a Rússia são inúteis. Ou seja, que estão a afetar apenas a economia e os cidadãos europeus, enquanto o FMI prevê que a economia russa cresça 2,2% este ano. O que é que diz sobre esta perspetiva?

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: Isto tem um custo para nós, sejamos honestos. Tradicionalmente, temos feito muito comércio com a Rússia. Mas ainda não é uma parte importante do nosso padrão comercial. E penso que as empresas têm conseguido encontrar mercados alternativos.

Em termos de eficácia, tínhamos três objetivos. Privar a Rússia e os militares russos da tecnologia. Privar o governo russo das receitas. E impor um custo elevado ao complexo industrial militar. Em todos estes três objetivos, penso que fomos bastante bem sucedidos. 

Constatamos que a Rússia está a ter dificuldades em obter a tecnologia de que necessita e que está agora a voltar-se para o Irão ou para a Coreia do Norte. Vemos indícios de que os russos estão a ter de usar armas mais antigas, tanques mais antigos, a fim de manterem as suas forças armadas equipadas.

Do lado das receitas, estimamos que os russos tenham provavelmente menos 400 mil milhões de euros para gastar. Normalmente, o governo russo tinha um excedente nas suas despesas públicas. Atualmente, tem um défice de 2 a 3%.

E, sim, a economia russa está a crescer um pouco. Mas é porque estão a investir maciçamente nas suas forças armadas. 30% da despesa pública russa é atualmente destinada ao setor militar, quase 10% do PIB. É claro que podemos submeter tudo ao interesse dos militares, mas estamos a canibalizar a economia. Não há investimento no bem-estar social, na educação, na saúde, na investigação.

Portanto, o prognóstico para a economia russa é reduzir a sua capacidade industrial - que é o terceiro objetivo. O prognóstico não é bom.

Lacuna nas sanções contra o petróleo russo

Shona Murray, Euronews: A Índia está a comprar muito petróleo russo, a refiná-lo e a enviá-lo de volta para o Ocidente, o que parece um pouco contraproducente. Qual é a lacuna aqui?

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: Bem, decidimos logo no início que não faríamos um embargo à exportação de petróleo russo da mesma forma que fizemos, por exemplo, com o Irão. A razão para isso foi o facto de muitas partes do Sul Global estarem dependentes de continuar a permitir o fluxo de petróleo russo. Nós assumimos a posição de que permitiríamos que esses fluxos continuassem. Portanto, já não estamos a comprar petróleo russo, mas é perfeitamente legal que outros países o comprem.

Shona Murray, Euronews: E vendê-lo de volta ao Ocidente?

David O'Sullivan, enviado da UE para as sanções: E se nós mantivémos o preço a que normalmente pode ser comprado, de tal forma que ainda prejudica as receitas que a Rússia obtém, e estimamos, no primeiro semestre deste ano, as receitas do petróleo desceram 50% na Rússia… Mas, sim, continuam a poder exportá-lo. E sim, nalguns casos, como na Índia, refinam-no e enviam-no de volta para nós. 

O argumento dos indianos é que são eles que estão a lucrar, não os russos. O nosso principal objetivo é garantir que as receitas russas são gravemente afetadas pelo limite do preço do petróleo. E estamos a ver muitas provas de que é esse o caso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Debate Euronews em Davos: O alargamento é uma oportunidade económica?

UE adota 12º pacote de sanções contra a Rússia pela invasão da Ucrânia

Interpol diz que Estados devem agir para travar redes globais de criminalidade