Presidente ucraniano em ronda diplomática pelo apoio dos aliados

Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, durante a conferência de imprensa em Oslo
Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, durante a conferência de imprensa em Oslo Direitos de autor Cornelius Poppe/Cornelius Poppe / NTB
De  João Peseiro Monteiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Zelenskyy tenta cimentar apoio dos aliados em vésperas do Conselho Europeu que vai discutir adesão da Ucrânia

PUBLICIDADE

Volodymyr Zelenskyy prossegue o périplo diplomático numa tentativa de cimentar o apoio dos aliados.

Em Oslo, o primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, prometeu que “vai continuar a apoiar a defesa da Ucrânia". Mas o ponto de preocupação imediato para Kiev é a oposição da Hungria à adesão da Ucrânia à União Europeia. Viktor Orbán já garantiu que irá vetar o inicio de conversações.

"Ele não tem razões para bloquear a adesão da Ucrânia à União Europeia. Pedi-lhe que me desse uma razão, não três, não cinco, não 10. Que me dê uma razão. Continuo à espera da resposta" – afirmou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy.

Na véspera do Conselho Europeu desta quinta-feira, em Bruxelas, o chanceler alemão Olaf Scholz alertou para as consequências da diminuição do apoio à defesa da Ucrânia contra o ataque russo.

Também nesta quarta-feira, em Paris, o presidente Emmanuel Macron recebeu o primeiro-ministro esloveno e apelou à União Europeia para que "dê um apoio total e duradouro à Ucrânia".

Além da abertura das negociações de adesão da Ucrânia, os dirigentes europeus vão discutir a aprovação de um novo pacote de ajuda a Kiev de 50 mil milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Volodymyr Zelenskyy tenta convencer o congresso norte-americano a manter a ajuda à Ucrânia

Anders Breivik perde processo contra Estado norueguês e continuará em confinamento solitário

Assassino norueguês Anders Breivik acusa Estado de violação de direitos humanos