O exército ucraniano tem falta de novos soldados para enviar para a linha da frente

Ivan Kravchenko, soldado da guarda fronteiriça estatal, vigia um posto onde as tropas ucranianas controlam as posições russas na região de Sumy, na Ucrânia, em 24 de novembro.
Ivan Kravchenko, soldado da guarda fronteiriça estatal, vigia um posto onde as tropas ucranianas controlam as posições russas na região de Sumy, na Ucrânia, em 24 de novembro. Direitos de autor AP Photo/Hanna Arhirova
De  Euronews, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

À medida que a guerra se arrasta, a Ucrânia esforça-se por substituir as tropas exaustas que passaram dois anos na guerra.

PUBLICIDADE

Vinte e dois meses após o início da invasão russa, o exército ucraniano está a ter dificuldades em encontrar novos recrutas para enviar para a frente de batalha, de acordo com oficiais militares.

"As nossas unidades têm falta de pessoal", disse o Major Oleksandr Volkov, comandante de um batalhão da 24ª brigada mecanizada. "Precisamos de gente jovem, com menos de 40 anos, e motivada".

Esta foi exatamente a vantagem que a Rússia sempre teve sobre a Ucrânia: mais mão de obra, juntamente com a vontade de enviar um número indefinido de homens - estejam eles preparados ou não - para lutar e morrer na frente.

De acordo com os dados de 2023 da Global Firepower, o exército ucraniano contava com cerca de 500 000 militares, 200 000 dos quais no ativo. Em comparação, a Rússia tem cerca de quatro vezes mais militares no ativo - 1.330.900 homens - e 250.000 reservistas, o mesmo número que a Ucrânia.

"A sociedade atual foi provavelmente enganada por alguns meios de comunicação social, que afirmam que tudo está bem (para o exército ucraniano), que estamos a derrotar o inimigo e que a vitória ocorrerá num futuro próximo", disse Volkov. "Mas a situação atual não é assim tão simples. O inimigo é realmente muito forte, muito poderoso. E nós fazemos tudo para o deter e vencer".

Apesar das perdas significativas, tanto em homens como em equipamento, a Rússia resistiu à contraofensiva ucraniana este verão e, atualmente, sente-se bastante confiante em relação à guerra, como provam os recentes comentários de Vladimir Putin sobre o conflito.

Falta de novos e jovens recrutas

Enquanto a Ucrânia continua a lutar pela liberdade e integridade do seu território, não consegue atrair recrutas entre os civis, segundo Volkov e outros oficiais.

No início da guerra, "tudo acontecia com adrenalina, numa espécie de exaltação [...] toda a gente se apressava a lutar e não havia problemas", disse o Tenente Igor Prokopiak, comandante de uma companhia. "Mas, com o tempo, a situação acalmou. As pessoas tinham acesso às redes sociais, viam o lado terrível e cruel da guerra. A adrenalina inicial passou, o cérebro acordou, o medo apareceu e, como resultado, as pessoas começaram a temer pelas suas vidas".

Os oficiais notaram que a idade média dos soldados na frente aumentou, com Volkov a dizer que 40% da sua unidade tem 45 anos ou mais. Os que estão na frente há dois anos estão exaustos, embora não tenham sido substituídos por falta de novas tropas.

No final de novembro, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, afirmou que o país iria reformar as práticas de recrutamento através da colaboração com empresas comerciais de recrutamento, num esforço para reforçar a sua força de combate.

Paris e Londres prometem um apoio inabalável

O Reino Unido e a França vão apoiar a Ucrânia "enquanto for necessário", disse o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, David Cameron, durante uma conferência conjunta com a sua homóloga francesa, Catherine Colonna.

"Não tenho dúvidas de que Putin vai perder (a guerra) e é essencial que ele perca".

"O primeiro ato foi o impressionante fracasso da Rússia em atingir os seus objetivos. O segundo ato foi a resistência retumbante dos ucranianos que fizeram recuar os russos. E, claro, o terceiro ato é mais difícil", disse Cameron. "O quarto ato ainda está por escrever e temos de garantir que é escrito da forma correta", acrescentou.

"Os nossos dois países, de mãos dadas desde o início, estão a trabalhar em conjunto para garantir que a agressão russa não possa ser recompensada", declarou Catherine Colonna.

"Esperamos que esta cooperação possa ser ainda mais reforçada", acrescentou. O destino da Ucrânia está obviamente em jogo, mas também a segurança do continente europeu."

O apoio contínuo dos aliados da Ucrânia é considerado crucial para a capacidade do país de continuar a lutar contra a invasão russa. A ajuda financeira e militar dos EUA está atualmente bloqueada no Congresso. Na semana passada, o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, bloqueou um pacote de ajuda da UE a Kiev.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia: Rússia reforça exército, a ajuda dos EUA bloqueada, a Alemanha congela os fundos russos

ISW: Ucrânia conseguiu reduzir significativamente as atividades da Rússia no Mar Negro

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia