Ligações ferroviárias Eurostar de volta à normalidade

Cerca de 30 mil pessoas ficaram retidas após o cancelamento de dezenas de comboios
Cerca de 30 mil pessoas ficaram retidas após o cancelamento de dezenas de comboios Direitos de autor Aurelien Morissard/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Todos os comboios da Eurostar foram cancelados no sábado, deixando retidas cerca de 30 mil pessoas, mas as ligações ferroviárias regressaram à normalidade este domingo.

PUBLICIDADE

As ligações ferroviárias da transportadora Eurostars, interrompidas devido a uma inundação, regressaram à normalidade este domingo.

Todos os comboios da Eurostar, que ligam várias cidades da Europa continental ao Reino Unido, foram cancelados no sábado, deixando retidas cerca de 30 mil pessoas, devido à inundação de dois túneis no Sul de Inglaterra.

Na rede social X, a empresa já tinha informado que ia assegurar os horários previstos para este domingo. Contudo, antecipava atrasos e a lotação das gares "devido à interrupção de circulação" verificada no sábado.

Em comunicado, a Eurostars deu nota que foram cancelados 41 comboios, resultando na retenção de cerca de 30 mil passageiros em Londres, Paris, Bruxelas e Amesterdão.

Estes cancelamentos ocorreram num dos fins de semana mais movimentados do ano, uma vez que coincidem com a véspera das festividades de Ano Novo.

A operadora ferroviária lamentou os transtornos e pediu aos passageiros para acederem à página da Eurostar para se informarem sobre como poderiam receber a compensação devida.

Já em 21 de dezembro, período de partida para férias de Natal, os passageiros do Eurostar foram confrontados com numerosas anulações de comboios devido a uma greve que paralisou o túnel sob o canal da Mancha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fim de ano estragado: cheias causam cancelamento de comboios Eurostar

Tempestade Gerrit varre o Reino Unido

Mortes de migrantes no Canal da Mancha levantam questões em Londres e Paris