Justiça norte-americana desclassifica documentos ligados a Jeffrey Epstein

Jeffrey Epstein
Jeffrey Epstein Direitos de autor Uma Sanghvi/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Documentos judiciais de um caso movido contra cúmplice de Jeffrey Epstein foram tornados públicos e podem incluir cerca de 200 nomes de figuras proeminentes ligadas ao multimilionário, acusado de tráfico sexual de menores, que se suicidou em 2019.

PUBLICIDADE

A justiça norte-americana publicou uma primeira leva de documentos judiciais - até agora confidenciais - relacionados com o multimilionário Jeffrey Epstein, acusado de abuso sexual e tráfico de menores.

O príncipe André, o antigo presidente Bill Clinton, Michael Jackson ou o mágico David Copperfield são algumas das personalidades mencionadas nos documentos que faziam parte de um processo por difamação movido por uma das mulheres que denunciou o multimilionário contra a britânica Ghislaine Maxewll, condenada por cumplicidade com Epstein.

Muitos dos nomes agora revelados já tinham sido associados ao multimilionário e o facto de constarem nestes documentos não implica que tenham cometido qualquer crime. Alguns dos visados foram identificados durante o julgamento de Maxwell em 2021, condenada a 20 anos de prisão, ou porque deram entrevistas ou foram alvo de denúncias.

A identidade de menores de idade ou de quem não prestou declarações públicas vai permanecer oculta.

Esta será a primeira leva de documentos judiciais desclassificados e, segundo a agência EFE, tem cerca de 1.000 páginas. Espera-se para as próximas semanas a divulgação de novos documentos.

De acordo com a CNN, o total dos documentos, incluindo o material ainda por revelar, deverá incluir cerca de 200 nomes de figuras proeminentes.

Epstein foi detido em julho de 2019, acusado de abusar sexualmente e traficar dezenas de raparigas menores de idade no início dos anos 2000.

Suicidou-se um mês depois de ser detido, na cela da prisão em Nova Iorque.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sarah Fergusson, duquesa de York, diagnosticada com cancro de pele

Advogados de Ghislaine Maxwell pedem novo julgamento em caso Jeffrey Epstein

Caso de pedofilia contra príncipe André pode ser travado por tribunal dos EUA