Estudo mostra que água engarrafada contém milhares de plásticos minúsculos

Os nanoplásticos são invisíveis a olho nu
Os nanoplásticos são invisíveis a olho nu Direitos de autor Mary Conlon/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma equipa de cientistas da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, concluiu que a a´gua engarrafada pode conter em média 240 mil minúsculos fragmentos de plástico.

PUBLICIDADE

Um litro de água engarrafada apresenta em média cerca de 240 milfragmentos de plástico invísiveis a olho nu, de acordo com um estudo divulgado na segunda-feira.

Utilizando uma tecnologia inovadora, uma equipa de cientistas da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, detetou uma quantidade de nanoplásticos até 100 vezes maior do que o estimado até agora.

Os nanoplásticos são nada mais nada menos que minúsculas partículas de plástico que se foram degradando e ficando cada vez menores ao longo do tempo.

São tão pequenos que podem atravessar tecidos de diferentes órgãos e chegar à corrente sanguínea. Uma vez no sangue, podem ser transportados para outras partes do corpo.

Contudo, ainda não são claras as potenciais consequências que os nanoplásticos podem ter para a saúde. Mas os cientistas acreditam que este estudo pode dar pistas para a compreensão desses riscos.

"Quer os vejamos ou não, estão lá. Portanto, é melhor sabermos em que quantidade e o que são. Mas eu própria, como cientista, gostaria de ter mais dados em termos do estudo toxicológico para realmente saber o quão prejudiciais são para o meu próprio corpo", explica a investigadora Naixin Qian, co-autora deste estudo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Proibição de sacos de plástico está a funcionar? Estudo conclui que 6 mil milhões de sacos são poupados anualmente nos EUA

Milhares protestam em Santiago de Compostela contra gestão da crise dos pellets na costa da Galiza

Gestão do lixo plástico na Europa melhora mas a produção de plástico continua a aumentar