Grupo armado invade estúdio de televisão em direto no Equador

Ecuador atravessa nova onda de violência
Ecuador atravessa nova onda de violência Direitos de autor Cesar Munoz/Copyright 2024. The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Equador atravessa onda de violência desde que o líder de um dos mais perigosos gangues fugiu da cadeia, no passado domingo.

PUBLICIDADE

Um grupo de homens armados e que diziam transportar explosivos invadiram os estúdios de um canal de televisão equatoriano durante uma emissão em direto.

Com as câmaras a gravar um noticiário, foi possível ver e ouvir os homens - com os rostos tapados por máscaras - que levavam revólveres, armas automáticas, granadas e até dinamite, invadir o estúdio da TC Televisión e gritar que tinham bombas, enquanto os jornalistas e repórteres de imagem se deitavam no chão, pedindo-lhes que não disparassem.

As forças especiais da polícia detiveram mais tarde todos os suspeitos de invadir a sede da TC Televisión, na maior cidade do Equador, Guayaquil.

César Zapata, chefe da polícia, disse ao canal Teleamazonas que os agentes apreenderam armas e explosivos que o grupo levava e que 13 pessoas ficaram sob detenção, defendendo que o ataque deveria ser considerado um "ato terrorista".

Na segunda-feira, o presidente do Equador, Daniel Noboa, já tinha assinado um decreto declarando o estado de emergência no país durante 60 dias, autorizando as autoridades a suspenderam direitos dos civis e impondo um recolher obrigatório entre as 11:00 e as 17:00. E voltou a assinar novo decreto, 24 horas depois, para declarar 20 gangues de traficantes a operarem no país grupos terroristas, autorizando o exército a "neutralizá-los" de acordo com os limites da lei humanitária internacional.

A onda de violência começou no Equador desde que o líder do gangue Los Choneros, Adolfo Macías, conhecido como "Fito", foi dado como desaparecido da sua cela numa prisão de baixa segurança no passado domingo, 7 de janeiro. 

Macías ia ser transferido para uma cadeia de alta segurança quando desapareceu e permanece em paradeiro desconhecido. Foi entretanto aberta uma investigação e dois guardas foram acusados de estar ligados à fuga do criminoso, mas até agora não houve confirmação do governo equatoriano de que Macías tenha efetivamente fugido ou se está escondido dentro das instalações da prisão.

Desde a fuga do líder do gangue, quatro agentes da polícia foram sequestrados e foi registada uma explosão junto da residência do presidente do Tribunal Nacional de Justiça do Equador.

 Macías, que foi condenado por tráfico de droga, homicídio e crime organizado, estava a cumprir uma pena de 34 anos na prisão de La Regional, no porto de Guayaquil. O gangue que liderava é um dos que as autoridades consideram responsáveis pelo aumento da violência no Equador, que atingiu contornos graves com o homicídio do candidato presidencial Fernando Villavicencio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Daniel Noboa vence eleições presidenciais no Equador

Polícia do Equador detém quase 70 membros de gangue que tentavam controlar hospital

Espiral de violência no Equador