Netanyahu rejeita criação de um Estado palestiniano num cenário pós-guerra

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na base militar de Kirya, em Telavive
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na base militar de Kirya, em Telavive Direitos de autor Ohad Zwigenberg/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro israelita comunicou aos Estados Unidos que é contra a criação de um Estado palestiniano em qualquer cenário de pós-guerra. Netanyahu acredita que essa solução põe em risco a segurança nacional.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, diz que Israel precisa de "mais segurança" no território a oeste da Jordânia, efetivamente rejeitando os apelos do seu principal aliado, os Estados Unidos, para reduzir a escala e a intensidade da sua ofensiva e apoiar a criação de um Estado palestiniano na Faixa de Gaza após o fim do conflito.

Netanyahu revelou ter comunicado aos Estados Unidos que é contra a criação de um Estado palestiniano em qualquer cenário de pós-guerra e insistiu que esta seria "uma realidade que prejudicaria a segurança de Israel". 

A Casa Branca reagiu de forma imediata e negativa: "Obviamente, vemos isso de forma diferente", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos da América, John Kirby.

Um dos principais objetivos de Israel é libertar os reféns que ainda se encontram em Gaza. Na quinta-feira, israelitas reunidos em Telavive marcaram o primeiro aniversário de Kfir Bibas, o refém mais jovem ainda mantido em Gaza juntamente com o irmão e os pais. 

Não se conhece quais os motivos para esta família não ter sido incluída nas listas de reféns que foram libertados durante as tréguas entre Israel e o Hamas.

Numa referência ao cabelo ruivo de Kfir, os israelitas vestiram camisolas laranja e lançaram balões laranja durante a homenagem em Telavive. O edifício do Knesset, o parlamento israelita, também foi iluminado em tons de laranja em sinal de solidariedade.

Na quinta-feira, entrou na Faixa de Gaza mais um carregamento de medicamentos e ajuda humanitária para reféns israelitas e civis palestinianos, graças a um acordo  mediado pelo Qatar e pela França.

Apesar das alegações do Hamas de que a Cruz Vermelha ia garantir a entrega da medicação aos reféns israelitas, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse que "não está envolvido" no acordo.

Netanyahu alegou que o CICV "recusou-se" a levar a medicação aos reféns, então Israel pediu ajuda a um representante do Qatar que "tem influência sobre o Hamas". O primeiro-ministro de Israel espera que o corretor "mantenha a sua palavra" e entregue os medicamentos aos israelitas.

Os trabalhadores humanitários descrevem que é completamente impossível trabalhar de forma eficaz em Gaza neste momento, especialmente devido ao prolongado apagão das comunicações, que torna impossível qualquer tentativa de coordenar os esforços de ajuda no exterior do território.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Antigo chefe do Estado-Maior israelita defende acordo para libertação de reféns

Estados Unidos lançam nova ronda de mísseis contra alvos Houthi no Iémen

Israel enviará delegação ao Qatar para conversações de paz. População exige libertação de reféns