Irão lança satélite que faz parte de um programa espacial criticado pelo Ocidente

Um caça sobrevoa as bandeiras iranianas durante a parada do exército em Teerão
Um caça sobrevoa as bandeiras iranianas durante a parada do exército em Teerão Direitos de autor Iranian Presidency Office via AP/File
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O lançamento ocorre num momento em que as tensões regionais aumentam no Médio Oriente.

PUBLICIDADE

O Irão afirma ter realizado com êxito o lançamento de um satélite para a sua órbita mais alta, o último de um programa que o Ocidente receia que melhore os mísseis balísticos de Teerão.

O anúncio surge num momento em que as tensões aumentam no Médio Oriente devido à guerra que Israel trava contra o Hamas na Faixa de Gaza - e alguns dias depois de Irão e Paquistão se terem envolvido em ataques aéreos entre ambos.

O satélite Soraya foi colocado numa órbita a cerca de 750 quilómetros acima da superfície da Terra com o foguetão Qaem 100 de três fases, informou a agência noticiosa estatal IRNA. O ministro das telecomunicações Isa Zarepour descreveu o lançamento como tendo uma carga útil de 50 quilogramas.

O lançamento faz parte do programa espacial da Guarda Revolucionária do Irão, juntamente com o programa espacial civil do Irão, segundo o relatório.

Não houve confirmação imediata e independente de que o Irão tivesse colocado com êxito o satélite em órbita. Os militares norte-americanos e o Departamento de Estado não forneceram detalhes sobre este lançamento.

Os Estados Unidos afirmaram anteriormente que os lançamentos de satélites pelo Irão desafiam uma resolução do Conselho de Segurança da ONU e apelaram a Teerão para que não realizasse qualquer atividade que envolvesse mísseis balísticos capazes de transportar armas nucleares. As sanções da ONU relacionadas com o programa de mísseis balísticos do Irão expiraram em outubro passado.

De acordo com a avaliação da ameaça mundial para 2023 da comunidade de informações dos EUA, o desenvolvimento de veículos de lançamento de satélites "encurta o prazo" para o Irão desenvolver um míssil balístico intercontinental, uma vez que utiliza tecnologia semelhante.

Os mísseis balísticos intercontinentais podem ser utilizados para transportar armas nucleares. O Irão está agora a produzir urânio próximo dos níveis de qualidade para armas, após o colapso do seu acordo nuclear com as potências mundiais. Teerão possui urânio enriquecido suficiente para "várias" armas nucleares, caso decida produzi-las, alertou repetidamente o chefe da Agência Internacional de Energia Atómica.

O Irão sempre negou a procura de armas nucleares e afirma que o seu programa espacial, tal como as suas atividades nucleares, se destina a fins puramente civis. No entanto, os serviços secretos americanos e a AIEA afirmam que o Irão teve um programa nuclear militar organizado até 2003.

O envolvimento da Guarda nos lançamentos, bem como a sua capacidade de lançar o foguetão a partir de um lançador móvel, suscitam preocupações ao Ocidente. A Guarda, que responde apenas ao líder supremo Ayatollah Ali Khamenei, revelou o seu programa espacial em 2020.

Na última década, o Irão enviou vários satélites de curta duração para a órbita e, em 2013, lançou um macaco para o espaço. No entanto, o programa tem registado problemas recentes. Houve cinco lançamentos falhados consecutivos do programa Simorgh, outro foguetão de transporte de satélites.

Um incêndio na base de lançamento espacial Imam Khomeini em fevereiro de 2019 matou três investigadores, disseram as autoridades na altura. A explosão de um foguete na base chamou a atenção do então presidente Donald Trump, que brincou com o Irão, através de um tweet que mostrava o que parecia ser uma foto de vigilância dos EUA na plataforma iraniana.

Em dezembro, o Irão enviou para a órbita uma cápsula capaz de transportar animais, enquanto se prepara para missões humanas nos próximos anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Irão não é totalmente transparente" sobre programa nuclear, avisa ONU

Ataque com mísseis do Paquistão contra o Irão levanta preocupações

Irão dispara mísseis contra consulado dos EUA em região curda do Iraque