Protestos em massa na Alemanha contra a extrema-direita

Protesto em Frankfurt
Protesto em Frankfurt Direitos de autor Jonas Walzberg / DPA via AP Photo
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com as autoridades alemãs, cerca de 250 mil pessoas saíram à rua em várias cidades para denunciar um alegado plano secreto de deportação que o partido AfD estava a preparar com elementos da extrema direita.

PUBLICIDADE

Com cartazes e faixas a condenar o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha ou AfD, dezenas de milhares de pessoas reuniram-se por todo o país, cantando slogans como "Nunca mais é agora", "Contra o ódio" e "Defender a democracia".

As manifestações de sábado foram as últimas de uma série de protestos que têm vindo a ganhar força nos últimos dias.

Segundo a polícia, um dos protestos de sábado atraiu 35.000 pessoas em Frankfurt. Manifestações em Estugarda, Nuremberga e Hanôver, entre outras cidades, também atraíram grandes multidões.

Na sexta-feira, uma manifestação semelhante reuniu em Hamburgo, a segunda maior cidade da Alemanha, uma multidão de 50.000 pessoas que teve de terminar mais cedo assim que a polícia começou a perceber que o aumento do número de manifestantes poderia levantar questões de insegurança.

Espera-se que os protestos previstos para domingo em Berlim, Munique e Colónia, atraiam dezenas de milhares de pessoas.

Protestos desencadeados após negociações secretas de deportação em massa

A origem dos protestos foi uma notícia publicada na semana passada pelo meio de comunicação Correctiv sobre uma alegada reunião de extrema-direita em novembro, na qual teriam participado figuras de um movimento extremista e da AfD. Um membro proeminente do Movimento Identitário, o cidadão austríaco Martin Sellner, apresentou a sua visão de "remigração" para as deportações, segundo o relatório.

O partido AfD procurou distanciar-se da reunião extremista, afirmando que não tinha ligações organizacionais ou financeiras com o evento, que não era responsável pelo que foi discutido e que os membros que participaram, fizeram-no a título meramente pessoal. Ainda assim, uma das colideres da AfD, Alice Weidel, distanciou-se de um conselheiro que esteve presente, ao mesmo tempo que criticou a própria reportagem.

A indignação generalizada com a reportagem do Correctiv levou a novos apelos para que a Alemanha considere a possibilidade de proibir o partido da extrema-direita AfD. No sábado, a secção de Brandeburgo dos Verdes alemães votou, numa convenção do partido, a favor de uma possível proibição para ajudar a evitar a ascensão de "um novo governo fascista na Alemanha".

No entanto, muitos dos opositores da AfD manifestaram-se contra a ideia, argumentando que o processo seria moroso, o sucesso seria altamente incerto e poderia beneficiar o partido, permitindo-lhe apresentar-se como uma vítima.

Autoridades eleitas de todo o espetro político, incluindo o Chanceler Olaf Scholz, manifestaram o seu apoio aos protestos.

Preocupação crescente com a popularidade da extrema-direita na Alemanha

Embora a Alemanha tenha assistido a outros protestos contra a extrema-direita nos últimos anos, a dimensão e o alcance dos protestos realizados no fim de semana - não só nas grandes cidades, mas também em dezenas de cidades mais pequenas do país - são notáveis.

As multidões de sábado foram um sinal de que os protestos pareciam estar a galvanizar a oposição popular ao AfD de uma nova forma. O que começou por ser uma concentração relativamente pequena, transformou-se em protestos que, em muitos casos, estão a atrair muito mais participantes do que os organizadores esperavam.

As manifestações também se baseiam na ansiedade crescente ao longo do último ano sobre o apoio ao AfD entre o eleitorado alemão.

O AfD foi fundado como um partido eurocético em 2013 e entrou pela primeira vez no Bundestag alemão em 2017. As sondagens colocam-no atualmente em segundo lugar a nível nacional, com cerca de 23%, muito acima dos 10,3% que obteve durante as últimas eleições federais em 2021.

No verão passado, candidatos da AfD venceram as primeiras eleições em algumas autarquias e no conselho distrital do partido, o primeiro partido de extrema direita a fazê-lo desde a era nazi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Extrema-direita alemã derrotada em eleições locais na Turíngia

Prepara-se fusão das duas bancadas de extrema-direita no Parlamento Europeu?

Parlamento alemão aprova legislação para facilitar deportações