A bordo do laboratório científico flutuante que percorre a costa europeia

Barco oceânico Tara em Lyon. janeiro de 2024.
Barco oceânico Tara em Lyon. janeiro de 2024. Direitos de autor Ilaria Federico and Estelle Nilsson-Julien
De  Estelle Nilsson-Julien and Ilaria Federico
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Desde abril de 2023, uma equipa de cientistas tem vindo a recolher dados em toda a costa europeia, numa missão que decorrerá até julho de 2024.

PUBLICIDADE

O Tara Europa pode parecer um simples veleiro, mas é, de facto, um laboratório científico flutuante.

"O objetivo da missão Tara Europa Trek é medir o impacto da atividade humana no litoral, que é um local de enorme biodiversidade", explica Henri-Bernard Costa, diretor de Assuntos Públicos da Fundação Tara.

Não há fronteiras para a poluição.
Henri-Bernard Costa
Diretor de Assuntos Públicos da Fundação Tara

Desde abril de 2023, uma equipa de cientistas navega à volta da costa europeia, avaliando os níveis de poluição e a saúde das águas. O seu objetivo é percorrer uns impressionantes 25.520 quilómetros de costa.

Avaliar os níveis de poluição nas águas europeias é uma causa premente, dado que 40% da população da Europa vive numa região costeira.

"A poluição viaja, as moléculas químicas também. Não há fronteiras para a poluição, temos de estar conscientes de que tudo o que afecta uma parte da natureza também a afecta como um todo", afirma Costa.

"O nosso objetivo é obter uma visão holística do que se passa em todo o continente, a fim de avaliar quais as questões a que devemos dar prioridade para garantir a saúde dos nossos oceanos", acrescenta.

Foram já identificados 4000 produtos químicos.
Martin Heraut
Capitão do barco Tara Europa

No centro do Tara encontra-se uma cabina de barco convertida, onde a equipa de cientistas armazena as suas máquinas. Embora os cientistas já tenham recolhido uma enorme quantidade de dados, poderá demorar até uma década até que os resultados da expedição sejam tornados públicos.

Uma vez recolhidas, as amostras de água são enviadas para outros laboratórios para serem analisadas, o que é um processo moroso.

Os cientistas já "localizaram cerca de 4.000 produtos químicos, pesticidas e farmacêuticos que foram listados. Verificam se já são detectáveis em terra e no mar e analisam a sua interação com os microrganismos", explica Martin Heraut, capitão do barco Tara Europa.

No entanto, esta está longe de ser a primeira expedição da Fundação: desde 2003, a organização já lançou sete grandes missões de exploração científica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os oceanos mais quentes branquearam os corais a profundidades que se julgava impossíveis

A crise da água na Europa: qual é a gravidade da situação e o que pode ser feito?

Beber água da chuva: Seguro ou perigoso?