Dez países suspendem ajuda à agência da ONU para refugiados palestinianos

Comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, apela a que os países não suspendam o financiamento
Comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, apela a que os países não suspendam o financiamento Direitos de autor Bilal Hussein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lista de países que já suspenderam o apoio à agência da ONU de assistência aos refugiados palestinianos continua a aumentar. UNRWA diz que situação em Gaza é de "desespero".

PUBLICIDADE

Dez países já suspenderam o apoio à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWA), depois de Israel ter acusado alguns funcionários da organização de estarem envolvidos nos ataques do Hamas a 7 de outubro.

Os Estados Unidos retiraram na sexta-feira o financiamento à organização, seguindo-se Canadá, Austrália, Itália, Reino Unido, Finlândia, Países Baixos, Alemanha, Japão e Áustria.

A suspensão deste apoio põe em causa a capacidade de continuar a prestar ajuda humanitária às pessoas em Gaza à medida que o conflito se agrava.

A agência da ONU apelou a que os países não suspendam o financiamento face à "situação de despero" que a população em Gaza enfrenta. Um pedido que foi repetido pelo primeiro-ministro palestiniano, Mohammad Shtayyeh, que condenou as acusações israelitas de que a equipa da UNRWA auxiliou o Hamas na preparação dos ataques a Israel.

Pelo menos 12 funcionários da agência foram despedidos na sequência das alegações. A organização emprega cerca de 13 mil pessoas em Gaza, quase todos palestinianos, desde professores em escolas até médicos e outro pessoal auxiliar e trabalhadores humanitários.

Até ao momento, ainda não foi esclarecido nem por Israel nem pela UNRWA de que forma estiveram envolvidos os funcionários da agência nos acontecimentos de 7 de outubro.

Apesar dos contratempos e das acusações, a ajuda humanitária continua a chegar a Gaza, que atravessa uma grave crise humanitária, com um quarto da população a enfrentar falta de alimentos.

Ativistas e familiares dos reféns capturados pelo Hamas também levantaram suspeitas sobre o conteúdo dos camiões que entram no enclave palestiniano. Na segunda-feira, organizaram uma manifestação na travessia de Kerem Shalom apelando à libertação dos israelitas mantidos em cativeiro na Faixa de Gaza.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU avisa que ajuda em Gaza pode colapsar se agência de apoio aos palestinianos ficar sem dinheiro

Israel diz ter matado três membros do Hamas num hospital na Cisjordânia

Vice-diretor do Programa Alimentar Mundial sobre Gaza: "Fome generalizada ao virar da esquina"