Economia portuguesa cresce 2,3% em 2023 e escapa a recessão no 4.º trimestre

O consumo privado é o que está a puxar pelo PIB
O consumo privado é o que está a puxar pelo PIB Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Produto Interno Bruto (PIB) português cresceu 2,3% em 2023, acima das previsões do Governo e do Banco de Portugal, segundo dados provisórios do INE. No último trimestre do ano, economia cresceu 0,8% em cadeia, escapando a uma recessão.

PUBLICIDADE

A economia portuguesa cresceu 2,3% em 2023, segundo uma estimativa rápida divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta terça-feira. 

Este valor fica acima das estimativas do Ministério das Finanças que previa um crescimento da economia de 2,2% em 2023, segundo as projeções inscritas no Orçamento do Estado para 2024. 

O Banco de Portugal era o mais pessimista, com uma projeção de 2,1% para 2023. 

Ainda assim, os dados provisórios apontam para uma desaceleração face aos 6,8% alcançados em 2022.

"A procura interna apresentou um contributo positivo para a variação anual do PIB, embora inferior ao observado no ano anterior, verificando-se uma desaceleração do consumo privado e do investimento", refere o INE, indicando ainda que "o contributo da procura externa líquida também foi positivo em 2023, mas menos intenso que em 2022, tendo as exportações e as importações de bens e serviços em volume desacelerado significativamente".

Já em termos trimestrais, depois de uma contração no terceiro trimestre, a economia portuguesa cresceu 2,2% em termos homólogos e 0,8% em cadeia no quarto trimestre, tendo assim escapado a uma recessão técnica (definida por dois trimestres consecutivos de contração).

De acordo com o gabinete de estatística, neste trimestre  "o contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB manteve-se elevado", verificando-se "uma aceleração do consumo privado e uma desaceleração do investimento". 

O contributo da procura externa líquida para a variação homóloga do PIB passou a positivo, tendo as exportações voltado a crescer mais que as importações. 

Já "o contributo da procura interna para a variação em cadeia do PIB aumentou no 4º trimestre, refletindo o comportamento do consumo privado, enquanto o contributo da procura externa líquida foi menos negativo", acrescenta o INE.

Os resultados detalhados das contas nacionais serão divulgados no próximo dia 29 de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia revê em baixa previsões de crescimento económico

BCE mantém taxas de juro inalteradas

Inflação na zona euro subiu para 2,9%