Transportadores espanhóis juntam-se aos protestos dos agricultores

Aos protestos dos agricultores juntam-se agora os transportadores
Aos protestos dos agricultores juntam-se agora os transportadores Direitos de autor Emilio Morenatti/AP
De  Jaime Velazquez
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Exigências da nova Política Agrícola Comum, assim como os acordos comerciais com Marrocos e com o Mercosul estão na origem dos protestos.

PUBLICIDADE

A seca e os elevados custos de produção estão a asfixiar o mundo rural espanhol. Depois de uma época desastrosa, os agricultores estão agora a lutar contra as novas exigências da Política Agrícola Comum e os acordos comerciais para a entrada de alimentos provenientes de países terceiros.

Diz Carlos Fernández, agricultor: "Vimos de um 2023 com os cereais mais caros de produzir na história e algumas das chuvas mais baixas em muitos anos. Isto criou uma tempestade perfeita, em que podemos dizer que já não podemos fazer mais nada".

Novos obstáculos burocráticos e requisitos de proteção ambiental e animal tornam mais complicado e dispendioso o acesso aos subsídios europeus: "É claro que queremos produzir sem prejudicar o planeta", diz Carlos Fernández. "Mas há um fundamentalismo ambiental extremo que apenas protege o planeta e nos deixa totalmente desprotegidos. Não é sustentável a longo prazo", acrescenta.

Há um fundamentalismo ambiental extremo que apenas protege o planeta e nos deixa totalmente desprotegidos.
Carlos Fernández
Agricultor

Enquanto as exigências europeias tornam os produtos europeus mais caros, os agricultores e criadores de gado exigem que os produtos de países terceiros tenham os mesmos requisitos ambientais e de segurança alimentar e protestam contra os acordos comerciais com Marrocos ou o futuro pacto com o Mercosul.

Os transportadores vão juntar-se aos protestos dos agricultores com o objetivo de atacar os portos de entrada de mercadorias de países terceiros, tal como já fizeram em Portugal e Itália.

Diz Lola Guzmán, do "Movimiento 6-F": "O nosso cancro está nos portos de Espanha".

Agricultores, criadores de gado e transportadores garantem que não vão parar as greves e mobilizações até que Bruxelas ouça as suas reivindicações, com a Agenda Europeia 2030 no centro da batalha. 

Os protestos que estão a varrer a Europa são o sinal de um divórcio entre a Europa urbana e a Europa rural, presa entre as consequências das alterações climáticas e as políticas verdes necessárias para as combater. É o terreno fértil para o euroceticismo e o negacionismo climático, que desempenharão um papel decisivo nas próximas eleições europeias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores italianos divididos quanto às reivindicações

Agricultores italianos fazem mais de 10 horas de trator para se manifestarem em Roma

Comissão Europeia propõe redução das emissões poluentes em 90% até 2040