ONU, Estados Unidos e Egito preocupados com ataques israelitas em Rafah

Pelo menos 22 pessoas morreram esta madrugada em ataques israelitas no centro e sul da Faixa de Gaza
Pelo menos 22 pessoas morreram esta madrugada em ataques israelitas no centro e sul da Faixa de Gaza Direitos de autor Captura de vídeo de AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo menos 22 pessoas morreram em ataques israelistas no sul da Faixa de Gaza, um dia depois de Netanyahu anunciar que a ofensiva militar iria avançar para Rafah. ONU, Estados Unidos e Egito temem consequências de uma operação militar em Rafah.

PUBLICIDADE

Pelo menos 22 pessoas, incluindo crianças e mulheres, foram mortas em ataques aéreos israelitas durante a madrugada de sexta-feira, no centro da Faixa de Gaza e na cidade de Rafah, avança a AP.

"Metade da população de Gaza está agora amontoada em Rafah. Não têm para onde ir. Não têm casas e não têm esperança", lamentou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressando preocupação pela situação em Rafah.

Ainda na quinta-feira, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu disse que a ofensiva militar vai expandir-se em direção a esta cidade no sul da Faixa de Gaza, perto da fronteira com o Egito.

Em Rafah estão entre 1,5 e 1,9 milhões de civis palestinianos que fugiram de outras zonas da Faixa de Gaza, à medida que os ataques aéreos de Israel e os combates entre militares israelitas e o Hamas se foram alargando.

A cidade, na fronteira com o Egito, está situada numa zona anteriormente proclamada "segura" por Israel. Muitos ativistas dos direitos humanos acusam agora Israel de não manter a palavra.

O comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, alertou na rede social X que as ações israelitas desde outubro podem ser suficientes para se qualificar como crime de guerra, violando a Quarta Convenção de Genebra, relativa à proteção de pessoas civis em tempo de guerra. 

Em particluar, Türk cita a "extensa destruição de propriedade, não justificada por necessidade militar e realizada ilegalmente e livremente" levada a cabo pelas Forças de Defesa de Israel.

Washington também garantiu na quinta-feira que não apoiaria uma operação militar israelita em Rafah, sem a existência de um plano para proteger civis.

"Conduzir tal operação neste momento e sem qualquer planeamento ou ponderação numa área na qual se estão a abrigar um milhão de pessoas seria um desastre", alertou o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano Vedant Patel.

O porta-voz acrescentou que o secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, deixou essa posição clara ao primeiro-ministro israelita durante a visita a Telavive.

Uma delegação do Hamas partiu para o Egito na quinta-feira para discutir a proposta de cessar-fogo recusada por Netanyahu.

No início desta semana, autoridades egípcias alertaram Israel de que a fuga de palestinianos para o Egito, em resultado de uma operação em larga escala em Rafah, junto à fronteira, anularia o acordo de paz e deixaram claro que uma situação descontrolada de refugiados é uma linha vermelha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Identificados os dois reféns israelitas resgatados em Gaza após "complexa operação de salvamento"

Dois reféns israelitas libertados em Rafah

Arranca novo julgamento dos quatro egípcios acusados de matar estudante italiano Giulio Regeni