Ucrânia retira de Avdiivka depois de ter resistido durante 4 meses

Um fuzileiro ucraniano da 35.ª brigada dispara com o lança-granadas automático AGS-17 contra posições russas nos arredores de Avdiivka, na Ucrânia, a 19 de junho de 2023.
Um fuzileiro ucraniano da 35.ª brigada dispara com o lança-granadas automático AGS-17 contra posições russas nos arredores de Avdiivka, na Ucrânia, a 19 de junho de 2023. Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
De  AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A captura da cidade perto de Donetsk "não seria operacionalmente significativa" para a Rússia, de acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra, mas representaria um grande impulso moral à medida que se aproxima o segundo aniversário do conflito.

PUBLICIDADE

O chefe das forças armadas ucranianas disse na madrugada de sábado que está a retirar as tropas da cidade de Avdiivka, no leste da Ucrânia, onde defensores em menor número lutaram contra um ataque russo durante quatro meses.

O momento é crítico, uma vez que a Rússia está à procura de um impulso moral antes do segundo aniversário da invasão em grande escala à Ucrânia feita pelo Kremlin em a 24 de fevereiro de 2022. Ao momento acrescenta-se ainda as eleições presidenciais de março.

Numa curta declaração publicada no Facebook na madrugada de sábado, o comandante ucraniano, coronel general Oleksandr Syrskyi, disse que tinha tomado a decisão de evitar o cerco e "preservar a vida e a saúde dos militares".

O comandante-chefe acrescentou que as tropas estavam a deslocar-se para "linhas mais favoráveis".

"Os nossos soldados cumpriram o seu dever militar com dignidade, fizeram tudo o que estava ao seu alcance para destruir as melhores unidades militares russas, infligiram perdas significativas ao inimigo em termos de efetivos e de equipamento.

"Estamos a tomar medidas para estabilizar a situação e manter as nossas posições", lê-se no comunicado.

A retirada ocorreu um dia depois de o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, ter efectuado uma nova viagem à Europa Ocidental, na esperança de pressionar os aliados ocidentais do seu país a continuarem a prestar apoio militar.

Rússia lança 60 bombas por dia

Foi o primeiro grande teste de Syrskyi desde a sua nomeação como novo chefe do exército ucraniano na semana passada.

No seu anterior cargo de comandante das forças terrestres ucranianas, foi criticado por ter mantido a cidade de Bakhmut durante nove meses, um cerco que se tornou a batalha mais longa e sangrenta da guerra e que custou muito caro à Ucrânia, mas que também serviu para minar as forças russas.

Nos últimos dias, surgiram informações de que as tropas ucranianas em Avdiika estavam a enfrentar uma situação de deterioração.

Rodion Kudriashov, vice-comandante da 3ª Brigada de Assalto, disse na sexta-feira que as tropas ucranianas ainda estavam a resistir ao ataque de cerca de 15.000 soldados russos, mas que esperava que a situação "em breve se tornasse crítica".

"O inimigo está a tentar penetrar na nossa defesa e, em alguns locais, a contornar as nossas posições", disse à The Associated Press.

A 3ª Brigada disse na sua conta nas redes sociais na sexta-feira que os seus soldados estavam na enorme Fábrica de Coca-Cola de Avdiivka. Os aviões de guerra russos têm lançado cerca de 60 bombas por dia, bombardeando incessantemente a área e lançando ataques com blindados e infantaria, disse a brigada.

Um vídeo mostrava um denso fumo negro sobre a fábrica, que se dizia ser causado pela queima de reservatórios de fuelóleo. O post dizia: "O fumo venenoso espalha-se por toda a fábrica."

Os meios de comunicação social russos informaram que as forças do Kremlin estavam a fazer uso extensivo de bombas planas lançadas por aviões, que voam num ângulo mais raso, para atacar as posições ucranianas.

O porta-voz da Casa Branca para a segurança nacional, John Kirby, afirmou na quinta-feira que as forças russas estavam a começar a dominar as defesas ucranianas na cidade oriental. Segundo o porta-voz, Avdiivka corre o risco de cair nas mãos da Rússia, um desenvolvimento que atribuiu "em grande parte" ao facto de as forças ucranianas estarem a ficar sem munições de artilharia.

Os Estados Unidos são o maior apoiante individual da Ucrânia, mas cerca de 60 mil milhões de dólares (55,6 mil milhões de euros) para Kiev estão a ser bloqueados por divergências políticas entre os legisladores americanos.

A captura de Avdiivka não é "operacionalmente significativa

Fortemente fortificada com uma rede de túneis e fortificações de betão, Avdiivka situa-se nos subúrbios a norte de Donetsk, uma cidade na região com o mesmo nome que as forças russas ocupam parcialmente. A captura de Avdiivka poderia ser um impulso oportuno para Moscovo e servir de possível trampolim para a Rússia penetrar mais profundamente na região.

PUBLICIDADE

De acordo com o governador regional de Donetsk, Vadym Filashkin, restam menos de 1.000 pessoas na cidade. A cidade, com uma população de cerca de 31.000 habitantes antes da guerra, é atualmente uma concha bombardeada do que foi em tempos.

As imagens aéreas de Avdiivka obtidas pela The Associated Press em dezembro passado mostravam um cenário apocalítico e davam a entender as perdas surpreendentes da Rússia, com os corpos de cerca de 150 soldados - a maioria com uniformes russos - espalhados ao longo das linhas de árvores onde procuraram abrigo.

No entanto, o Instituto para o Estudo da Guerra, um grupo de reflexão de Washington, disse na quinta-feira que a tomada de Avdiivka seria mais uma vitória simbólica para o Kremlin e não traria mudanças significativas para a linha de frente de 1.500 quilómetros que mal se moveu nos últimos meses.

"A potencial captura russa de Avdiivka não seria operacionalmente significativa e provavelmente só ofereceria ao Kremlin vitórias informativas e políticas imediatas", afirmou o instituto numa avaliação.

"É altamente improvável que as forças russas façam avanços rápidos e operacionalmente significativos a partir de Avdiivka se capturarem o assentamento, e a potencial captura russa de Avdiivka, no máximo, criaria condições para mais ganhos tácticos limitados", acrescentou.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia prepara novo assalto a Avdiivka

Ataques russos na Ucrânia fazem pelo menos oito mortos

Ucrânia diz ter abatido bombardeiro russo de longo alcance