Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra

Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra
Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atualmente, entram em Gaza cerca de 62 camiões de ajuda alimentar por dia, o que é significativamente menos do que os 200 que Israel permite.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, apresentou um documento que define os princípios para a gestão de Gaza, num cenário pós-guerra. O documento foi apresentado ao gabinete de segurança, na quinta-feira à noite, e apela ao afastamento da governação afiliada ao Hamas.

Entretanto, a ajuda humanitária a Gaza está a ser interrompida devido aos ataques israelitas contra membros das forças de segurança do Hamas, segundo o coordenador humanitário da ONU, James McGoldrick.

De acordo com as agências internacionais, os oficiais do Hamas, que deveriam guardar os comboios na Faixa de Gaza, retiraram-se da passagem de Rafah devido aos ataques, estando agora os condutores de camiõe, que transportam ajuda humanitária a ser roubados e até alvejados. 

Segundo o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU, apenas entram em Gaza cerca de 62 camiões por dia. Isto é significativamente menos do que os 200 que Israel permite, o que representa apenas 12% dos 500 camiões necessários diariamente, de acordo com as agências humanitárias.

A Organização Mundial de Saúde referiu ainda que, devido à falta de meios e de bens de primeira necessidade, Gaza pode assistir a “mais mortes em resultado de doenças infeciosas”.

Relatório sobre agressões sexuais contra israelitas foi publicado

Ao mesmo tempo, enquanto o Tribunal Internacional de Justiça prossegue as suas audiências e mais países apresentam queixas contra as autoridades israelitas, a Associação dos Centros Israelitas de Crise de Violações publicou um relatório sobre as “sistemáticas e intencionais” agressões sexuais contra cidadãos israelitas, no ataque do Hamas de 7 de outubro. Os autores do relatório afirmam que a investigação se baseia em entrevistas confidenciais e públicas,com funcionários e socorristas, relatórios dos meios de comunicação social e "fontes confidenciais".

A ONU considera "credíveis" as alegações de agressão sexual por parte de soldados israelitas contra mulheres e raparigas palestinianas em Gaza e na Cisjordânia, segundo as agências internacionais. A organização revelou que dispõe de provas de pelo menos dois casos de vioação, bem como de outros casos de humilhação sexual e de ameaças de violação.

Perante este cenário, há uma ténue esperança de um possível cessar-fogo. O Ministério da Defesa de Israel concordou, na quinta-feira, em enviar uma delegação à nova ronda de negociações do acordo sobre os reféns, em Paris. O ministro da Defesa israelita, Benny Gantz, afirmou que havia "primeiros sinais promissores de progresso" no acordo, enquanto os diplomatas americanos descreveram as conversações como "progressivas" e até "encorajadoras".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três pessoas morrem em novo tiroteio na Cisjordânia

Palestinianos choram os mortos em Deir Al Balah

ONU preocupada com distribuição de água em Gaza