Estabilidade e Segurança são as prioridades do Partido Popular Europeu

Partido Popular Europeu renomeia Ursula von der Leyen para a presidência da Comissão
Partido Popular Europeu renomeia Ursula von der Leyen para a presidência da Comissão Direitos de autor Andreea Alexandru/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews esteve no congresso do partido, em Bucareste, e falou com figuras de destaque dentro do bloco.

PUBLICIDADE

O Partido Popular Europeu envia uma mensagem de estabilidade ao renomear Ursula von der Leyen para a presidência da Comissão Europeia. No congresso do partido, que terminou esta quinta-feira na capital romena, von der Leyen conseguiu a luz verde para avançar para as eleições de julho. A Euronews esteve no congresso e falou com figuras de destaque dentro do bloco.

"Enviamos uma mensagem de estabilidade em tempos de incerteza com a guerra na Europa, mas também com o desafio económico a nível mundial com a China. Estamos a manter a Europa unida. Essa é a nossa principal mensagem. Precisamos de uma liderança forte e firme", disse Manfred Weber, Presidente do Partido Popular Europeu.

O Pacto Ecológico, que apoia a transição da União Europeia (UE) para uma economia verde, foi um dos marcos da Comissão Von Der Leyen. Weber nega que o pacto esteja ameaçado pela resistência do setor agrícola.

"Tenho 52 anos e digo-vos que, para a minha geração, a luta contra as alterações climáticas é provavelmente a tarefa mais importante para todos nós. É uma questão histórica travar as alterações climáticas. É por isso que o nosso compromisso é muito claro. Somos o partido da luta contra as alterações climáticas", garantiu.

Para Durão Barroso, antigo presidente da Comissão Europeia, o Pacto Ecológico estará em risco se a UE não equilibrar a sua agenda climática com as necessidades e preocupações da indústria e da agricultura.

"É claro que a União Europeia deve continuar a liderar a transição ecológica. Ao mesmo tempo, deve fazê-lo respeitando as preocupações sociais das pessoas; não colocar demasiados custos sobre aqueles que são mais vulneráveis. Se o fizermos, estaremos a virar uma parte da nossa população contra a agenda verde. Isso seria um erro. E também devemos cumprir os nossos compromissos em termos de transição ecológica, mas sem colocar a nossa indústria e a nossa agricultura numa situação de desvantagem competitiva em relação a outras partes do resto do mundo", defendeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partidos de direita da Roménia juntam esforços para campanha às europeias

Greta Thunberg detida pela polícia durante um protesto nos Países Baixos

Extrema-direita separatista lidera intenções de voto na Bélgica