Três mortos e quatro feridos no primeiro ataque mortal dos Houthis a um navio comercial

Navio graneleiro Rubymar é visto no sul do Mar Vermelho, perto do estreito de Bay el-Mandeb, a derramar petróleo após um ataque dos rebeldes Houthi
Navio graneleiro Rubymar é visto no sul do Mar Vermelho, perto do estreito de Bay el-Mandeb, a derramar petróleo após um ataque dos rebeldes Houthi Direitos de autor Maxar Technologies/AP
Direitos de autor Maxar Technologies/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vítimas mortais são um vietnamita e dois filipinos. Três dos feridos estão em estado grave.

PUBLICIDADE

Três pessoas foram mortas e quatro ficaram feridas, na quarta-feira, no primeiro ataque mortal dos rebeldes Houthis do Iémen a um navio comercial no Mar Vermelho. 

As vítimas mortais são um vietnamita e dois filipinos. Três dos feridos estão em estado crítico.

O ataque com mísseis balísticos atingiu o navio graneleiro True Confidence, de bandeira de Barbados e propriedade da Libéria.

Após o ataque, a tripulação abandonou o navio e lançou os botes salva-vidas. Um navio de guerra dos EUA e a marinha indiana ajudaram nas operações de resgate.

O navio, com 20 tripulantes e três guardas armados, transportava aço da China para Jeddah, na Arábia Saudita.

Um porta-voz militar dos Houthis reivindicou a investida, acrescentando que só parariam quando o "cerco ao povo palestiniano em Gaza fosse levantado".

Desde novembro que os Houthis levam a cabo estas ações contra navios que consideram ter ligação a Israel.

A campanha de raides aéreos liderada pelos EUA começou em janeiro, mas não conseguiu travar os rebeldes iemenitas.

"Os Estados Unidos vão obviamente continuar a atuar", avisou a porta-voz da Casa Branca.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA e Reino Unido atacam alvos Houthi no Iémen depois de um navio ter sido atingido no Mar Vermelho

Estados Unidos e Reino Unido realizam novo ataque contra Houthis no Iémen

EUA e Reino Unido justificam ataques "necessários e proporcionais" contra os Houthis