Rota marítima para ajudar Gaza ganha força. Canadá retoma financiamento à UNRWA

Palestinianos feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são levados para o hospital Al Aqsa em Deir al Balah, Faixa de Gaza, sexta-feira, 8 de março de 2024.
Palestinianos feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são levados para o hospital Al Aqsa em Deir al Balah, Faixa de Gaza, sexta-feira, 8 de março de 2024. Direitos de autor Associated Press
Direitos de autor Associated Press
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um navio parte do Chipre para a Faixa de Gaza com mais de duzentas toneladas de alimentos a bordo, enquanto extremistas da direita isrealita bloqueiam ajuda por terra.

PUBLICIDADE

O navio da Open Arms partiu na manhã de sábado do Chipre em direção a Gaza. O Corredor Marítimo Humanitário da União Europeia está em andamento. A rota levará cerca de dois dias, a comida deve chegar na segunda-feira. De acordo com a World Charity Kitchen (WCK), o navio da ONG transporta mais de 200 toneladas de arroz, farinha e outros alimentos.

Se tudo correr conforme planeado, uma nova rota poderá ser aberta para os refugiados palestinianos em Gaza receberem ajuda e comida para aliviar o estado severo de fome que se vive no territóio. Segundo Israel, o corredor marítimo é uma boa ideia, enquanto extremistas da direita bloqueiam a ajuda por terra.

Ajuda enviada pelo ar matou civis acidentalmente

As forças armadas americanas confirmaram na madrugada de sábado que os lançamentos aéreos de ajuda humanitária na Faixa de Gaza, efetuados por outros países, mataram civis.

O Comando Central do exército, que supervisiona o Médio Oriente, emitiu a declaração no X, antigo Twitter, mas não identificou os países envolvidos.

"Temos conhecimento de relatos de civis mortos em resultado de lançamentos aéreos humanitários", lê-se na declaração. "Expressamos as nossas condolências às famílias dos que foram mortos. Contrariamente a alguns relatos, este não foi o resultado de lançamentos aéreos dos EUA".

As forças armadas americanas lançaram na sexta-feira, a partir de um avião C-130 dos EUA, alimentos equivalentes a 11 500 refeições doadas pela Jordânia, na parte norte da Faixa de Gaza.

As autoridades palestinianas afirmaram que cinco pessoas morreram e várias outras ficaram feridas quando os aviões não funcionaram corretamente e atingiram pessoas e aterraram em casas.

O Canadá vai restaurar o financiamento da Agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos

O Canadá vai restabelecer o financiamento da agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos, semanas depois de a agência, conhecida por UNRWA, ter perdido centenas de milhões de dólares de apoio na sequência de alegações israelitas contra alguns dos seus funcionários em Gaza.

O Canadá foi tranquilizado depois de ter recebido um relatório provisório da investigação da ONU sobre as alegações de Israel, disse Ahmed Hussen, Ministro do Desenvolvimento Internacional do Canadá.

O Governo canadiano deverá contribuir com 16,8 milhões de euros para a UNRWA em abril e não falhou nenhum pagamento em resultado da pausa.

Israel acusou 12 funcionários da UNRWA de participarem nos ataques do Hamas de 7 de outubro. Em resposta, mais de uma dúzia de países, incluindo o Canadá, suspenderam o financiamento da UNRWA no valor de cerca de 411 milhões de euros, quase metade do seu orçamento para o ano.

Israel alega atualmente que 450 funcionários da UNRWA eram membros de grupos militantes em Gaza, embora não tenha apresentado provas.

Militares americanos enviam 1000 soldados para transportar e construir um cais flutuante ao largo de Gaza

As forças armadas norte-americanas vão enviar cerca de 1000 soldados para transportar e construir um cais flutuante na costa de Gaza, a fim de fazer chegar aos cidadãos os alimentos e a ajuda de que estes necessitam.

O secretário de imprensa do Pentágono disse aos jornalistas, na sexta-feira, que serão necessárias semanas para que tudo isto se concretize, mas que os EUA estão a trabalhar o mais rapidamente possível para que as tropas e o equipamento sejam mobilizados e o cais construído.

Não haverá forças norte-americanas no terreno em Israel, disse Ryder, acrescentando que os pormenores sobre quem levará os mantimentos para terra a partir do passadiço ainda estão a ser trabalhados.

As tropas construirão um cais em alto mar onde os grandes navios poderão descarregar alimentos e mantimentos. Depois, navios militares mais pequenos transportarão a ajuda do cais flutuante para um passadiço temporário que será cravado no solo junto à costa.

Acrescentou ainda que os EUA estão também a falar com aliados e outros sobre a distribuição de alimentos e outros elementos da operação.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron, congratulou-se com o corredor de ajuda, mas afirma que o plano "levará meses a ser posto de pé" na sua totalidade.

PUBLICIDADE

A Grã-Bretanha deverá ajudar os EUA a construir um porto temporário na costa de Gaza e já enviou inspectores marítimos.

Gabinete dos Direitos Humanos da ONU afirma que os colonatos israelitas em zonas palestinianas constituem um "crime de guerra

O Gabinete dos Direitos Humanos da ONU considera que o estabelecimento e a expansão dos colonatos israelitas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental constituem um crime de guerra.

Mais de 700.000 israelitas vivem atualmente na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental - territórios capturados por Israel em 1967 e pretendidos pelos palestinianos para um futuro Estado.

A criação e a expansão dos colonatos equivalem à transferência, por parte de Israel, da sua própria população para territórios que ocupa, "o que constitui um crime de guerra ao abrigo do direito internacional", afirmou o gabinete do chefe da divisão de direitos humanos da ONU, Volker Türk, em comunicado.

Türk apresentou o relatório ao Conselho dos Direitos Humanos na sexta-feira. Ele cobre o período de um ano de 1 de novembro de 2022 a 31 de outubro de 2023, quando diz que cerca de 24,300 unidades habitacionais em assentamentos existentes na Cisjordânia foram "avançadas" - o maior número em um ano desde o início do monitoramento em 2017.

PUBLICIDADE

A expansão da atividade dos colonatos e o recrudescimento da violência na Cisjordânia nos últimos meses foram amplamente ofuscados pela guerra e pela deslocação de palestinianos em Gaza. A comunidade internacional, juntamente com os palestinianos, considera a construção de colonatos ilegal ou ilegítima e um obstáculo à paz.

A missão diplomática israelita em Genebra, que acusa regularmente o gabinete de Türk de ignorar a violência dos extremistas palestinianos contra os israelitas, afirmou que o relatório de sexta-feira "ignorou totalmente" o que, segundo o mesmo, foram as mortes de 36 israelitas e os ferimentos de quase 300 outros em ataques devidos ao "terrorismo palestiniano" no ano passado.

Israel diz que os palestinianos da Cisjordânia podem visitar o local sagrado de Jerusalém durante o Ramadão

Israel reiterou na sexta-feira que permitirá aos palestinianos da Cisjordânia ocupada visitar e rezar no recinto da mesquita de Al-Aqsa durante o mês sagrado do Ramadão.

Os palestinianos do território não puderam visitar Jerusalém devido às restrições de viagem impostas pelo governo israelita imediatamente após o ataque do Hamas de 7 de outubro.

A notícia de sexta-feira foi confirmada pelo COGAT, o organismo militar israelita encarregado dos assuntos civis palestinianos. Shani Sasson, porta-voz do COGAT, não deu pormenores sobre as restrições que continuarão em vigor.

PUBLICIDADE

Prevê-se que o Ramadão comece no domingo à noite, mas isso depende do aparecimento da lua crescente.

Presidente Biden cada vez mais frustrado com o seu homólogo israelita sobre a ajuda a Gaza

O Presidente Joe Biden afirmou, numa troca de palavras com um legislador democrata e membros do seu gabinete, que disse ao Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu que terão de ter um "encontro com Jesus".

Os comentários de Biden foram captados num microfone quente, enquanto falava com o senador Michael Bennet no plenário da Câmara dos Representantes, após o discurso de quinta-feira à noite sobre o Estado da União.

Na conversa, Bennet felicita Biden pelo seu discurso e insta o presidente a continuar a pressionar Netanyahu sobre as preocupações humanitárias em Gaza. O Secretário de Estado Antony Blinken e o Secretário dos Transportes Pete Buttigieg também participaram na breve conversa.

Biden responde então: "Eu disse-lhe, Bibi, e não repita isto, mas tu e eu vamos ter uma reunião de 'vem a Jesus'".

PUBLICIDADE

Um assessor do Presidente que se encontrava por perto fala então baixinho ao ouvido do Presidente, parecendo alertar o Presidente para o facto de os microfones permanecerem ligados enquanto ele trabalhava na sala.

"Estou num microfone quente aqui", diz Biden depois de ser alertado. "Ótimo. Isso é bom."

Biden tem-se tornado cada vez mais público sobre a sua frustração com a relutância do governo de Netanyahu em abrir mais passagens terrestres para que a ajuda necessária chegue a Gaza.

Investigação israelita diz que as tropas dispararam contra algumas pessoas em redor do comboio de ajuda a Gaza que avançava na sua direção

O exército israelita afirmou na sexta-feira que uma análise do derramamento de sangue em torno de um comboio de ajuda humanitária na semana passada, que matou 118 palestinianos no norte de Gaza, mostrou que as forças israelitas dispararam contra algumas pessoas na multidão que avançava na sua direção.

Inicialmente, as autoridades israelitas tinham dito apenas que as suas tropas tinham disparado tiros de aviso contra a multidão.

PUBLICIDADE

Em 29 de fevereiro, um grande número de pessoas encontrou-se com uma caravana de camiões que transportava ajuda para a região devastada pela guerra e começou a correr para apanhar os alimentos. Testemunhas afirmaram que as forças israelitas abriram fogo contra eles.

Os militares afirmaram na sexta-feira que cerca de 12 000 pessoas se tinham reunido à volta dos camiões quando estes se dirigiam para os centros de distribuição e começaram a agarrar a ajuda alimentar.

A análise militar do incidente mostrou que as tropas não dispararam contra o comboio em si, "mas dispararam contra vários suspeitos que se aproximaram das forças próximas e representaram uma ameaça para elas", disse o exército.

Segundo os militares, muitas das vítimas foram causadas pela debandada dos alimentos e pelo atropelamento de pessoas pelos camiões de ajuda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lançado corredor marítimo Chipre-Gaza

Biden confirma que Estados Unidos vão construir porto para enviar ajuda a Gaza por via marítima

Palestinianos enterram 43 corpos devolvidos por Israel