Soldados russos continuam a campanha de coação de votos em Mariupol

Mariupol elevada ao solo em 2022
Mariupol elevada ao solo em 2022 Direitos de autor Alexei Alexandrov/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Soldados e oficiais russos continuam a sua campanha de porta-a-porta para pedir votos forçados em Mariupol.

PUBLICIDADE

Acompanhados por soldados, os funcionários russos prosseguem a sua "campanha" porta-a-porta e vasculham os bairros para pedir votos nos territórios ocupados.

Mariupol é uma das cidades ucranianas ocupadas pela Rússia onde se realizam "eleições" presidenciais, que Kiev classifica de "ilegais e nulas".

Tal como noutros territórios ocupados por Moscovo, as operações de votação começaram vários dias antes, com a chegada de "urnas móveis".

As autoridades ocupantes afirmam que tal se deve a razões de segurança.

A man casts a ballot at a polling station during a presidential election in Mariupol, Russian-occupied Donetsk region, eastern Ukraine
A man casts a ballot at a polling station during a presidential election in Mariupol, Russian-occupied Donetsk region, eastern UkraineAP

As "eleições" nos territórios ocupados por Moscovo

Foram também organizadas "eleições" antecipadas para "eleger" o Presidente da Federação Russa no Território de Luhansk, bem como em partes das províncias de Donetsk, Zaporizhzhia e Kherson.

Mariupol sofreu muitas perdas de vidas e destruição durante o cerco russo e os pesados combates no início de 2022. As autoridades de ocupação afirmam que estão a reconstruir ativamente a cidade, exibindo as fachadas renovadas de casas residenciais, anteriormente danificadas por bombardeamentos.

No sábado passado, um trágico aniversário na cidade ocupada passou sem deixar rasto: dois anos desde o bombardeamento russo do Teatro Drama, em 16 de março de 2022. Este é considerado o ataque russo mais mortífero contra civis desde o início da guerra na Ucrânia. Pensa-se que duas bombas de 500 kg atingiram o edifício, onde se encontravam refugiadas entre 800 e 1200 pessoas.

Centenas de pessoas morreram. O número exato de mortos ainda não é conhecido, uma vez que as autoridades competentes nunca investigaram o sucedido. O Kremlin negou qualquer envolvimento, tentando atirar as culpas para os ucranianos. No final de 2023, começou a demolição das ruínas: segundo Kiev, Moscovo tenta apagar as provas do massacre cometido pela Rússia.

Várias organizações consideram que o bombardeamento foi intencional e, por conseguinte, um crime de guerra, uma vez que o teatro não era evidentemente um alvo militar e estava demasiado longe de quaisquer outras instalações para se poder presumir que se tratou de um erro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque ucraniano a Belgorod no segundo dia das eleições russas. Putin promete "resposta dura"

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”

Um morto e doze feridos em ataque russo a Poltava na Ucrânia