Stoltenberg: "NATO apoia soberania e integridade territorial da Arménia"

Presidente da Arménia, Nikol Pashinyan, e o secretário-geral da NATO
Presidente da Arménia, Nikol Pashinyan, e o secretário-geral da NATO Direitos de autor Vahram Baghdasaryan/PHOTOLURE
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

De visita à região, o secretário-geral da NATO fez ainda um apelo à Arménia e ao Azerbaijão para que cheguem a um acordo que proporcione uma paz duradoura entre os dois países. "Enfrentamos um mundo mais perigoso", alerta Stoltenberg.

PUBLICIDADE

O secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, chegou à Arménia esta terça-feira e manifestou apoio claro a Yerevan, que nos últimos tempos tem procurado uma solução para o conflito histórico com o Azerbaijão

" A NATO apoia a soberania e a integridade territorial da Arménia e as suas aspirações pacíficas", afirmou Stoltenberg, na primeira visita que faz à Arménia, onde se encontrou com o presidente e o primeiro-ministro do país. 

Sobre a estabilidade no Cáucaso Meridional, o líder da Aliança Atlântica instou a Arménia e o Azerbaijão a chegarem a um acordo que abra caminho à normalização das relações e a uma paz duradoura. "Isto é importante para a segurança euro-atlântica, uma vez que enfrentamos um mundo mais perigoso", salientou.

Por sua vez, o chefe do governo arménio, Nikol Pashiniyan, sublinhou a vontade de "prosseguir e desenvolver o diálogo político existente" e de "alargar as parcerias com a aliança, bem como com cada um dos Estados-membros".

"À luz dos acontecimentos que tiveram lugar na nossa região, é extremamente importante que a Arménia reforce a sua capacidade de resistência e desenvolva capacidades de defesa adequadas",  declarou Pashiniyan.

Stoltenberg e Pashinyan discutiram questões relacionadas com a conclusão de um acordo de paz entre Baku e Yerevan, informou o serviço de imprensa do governo arménio.

O secretário-Geral da NATO já visitou a Geórgia e o Azerbaijão.

Arménia diz querer evitar guerra com o Azerbaijão

Na semana passada, Pashinyan afirmou que o Azerbaijão exige, o mais rapidamente possível, a transferência para o seu controlo de quatro aldeias consideradas exclaves do período soviético adjacentes à região arménia de Tavush, que ficaram sob o controlo da Arménia na sequência de operações militares nos anos noventa do século passado.

Na reunião com os residentes de uma dessas aldeias, o primeiro-ministro arménio deu conta de que planeia iniciar o processo de demarcação e delimitação das fronteiras, a fim de evitar a guerra com o Azerbaijão.

"É importante para nós consolidar a integridade territorial da Arménia. Mas se queremos que outros a reconheçam, temos primeiro de a reconhecer nós próprios. Eu digo que esta é a única maneira de construir o nosso futuro", frisou Pashinyan.

"Neste momento, não temos nenhum acordo com ninguém, nenhuma decisão", acrescentou.

Os meios de comunicação social arménios referem que os residentes das aldeias de Voskepar e Baghanis manifestaram a sua disponibilidade para bloquear as estradas e organizar a autodefesa no caso de as aldeias da região arménia de Tavush serem entregues ao Azerbaijão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefes da diplomacia da UE discutem conflitos no Médio Oriente, na Ucrânia e no Nagorno-Karabakh

Refugiados de Nagorno-Karabakh na Arménia enfrentam necessidades urgentes

Missão da ONU chega ao Nagorno-Karabakh "demasiado tarde"