Netanyahu avisa Blinken de que entrarão em Rafah mesmo sem apoio dos EUA

O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, fala com os meios de comunicação social à saída do aeroporto internacional Ben Gurion em Telavive, Israel, sexta-feira, 22 de março de 2024.
O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, fala com os meios de comunicação social à saída do aeroporto internacional Ben Gurion em Telavive, Israel, sexta-feira, 22 de março de 2024. Direitos de autor AP/Belarusian Presidential Press Service
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken avisou que uma invasão terrestre na cidade fronteiriça a sul de Gaza poderia isolar Israel, mas Netanyahu insiste que vai avançar, mesmo sem apoio dos EUA.

PUBLICIDADE

O principal diplomata dos EUA afirmou na quinta-feira que uma invasão terrestre israelita à cidade de Rafah, no sul de Gaza, seria "um erro" e "desnecessário" para derrotar o Hamas.

As suas observações sublinham o agravamento das relações entre Israel e o seu principal aliado, os Estados Unidos.

O Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken, que se encontra na sua sexta missão urgente no Médio Oriente desde o início da guerra entre Israel e o Hamas em outubro, falou após ter discutido um cessar-fogo e o futuro de Gaza após o conflito com diplomatas árabes.

O Presidente da Comissão Europeia afirmou que é necessário e urgente um "cessar-fogo imediato e sustentado" com a libertação dos reféns israelitas detidos pelo Hamas e que as negociações indirectas que os EUA, o Egipto e o Qatar têm vindo a mediar há semanas estão a diminuir.

Essas negociações prosseguiram a um nível superior no Qatar, na sexta-feira.

Blinken acrescentou que os responsáveis israelitas irão reunir-se em Washington para discutir métodos alternativos a uma invasão terrestre em Rafah.

Netanyahu afirmou que, sem uma invasão de Rafah, Israel não pode atingir o seu objetivo de destruir o Hamas - algo que o primeiro-ministro israelita prometeu fazer após o ataque mortal dos militantes palestinianos a 7 de outubro no sul de Israel.

Os EUA mudam a sua posição sobre a invasão terrestre de Rafah

A posição dos EUA sobre uma operação em Rafah mudou significativamente nos últimos dias. Inicialmente, Washington disse que só poderia apoiar uma grande ofensiva na cidade se houvesse um plano credível para retirar os civis.

Os responsáveis norte-americanos dizem agora que concluíram que isso é impossível, dado que mais de um milhão de pessoas se encontram abrigadas na cidade.

Sugeriram que outras opções, incluindo operações especificamente direccionadas contra os combatentes do Hamas, são a única forma de evitar uma catástrofe civil.

Netanyahu, num telefonema de 45 minutos com senadores americanos na quarta-feira, disse que iria ignorar os avisos sobre Rafah.

O senador John Kennedy, republicano que participou na reunião, disse que Netanyahu "deixou bem claro que ele e o povo de Israel tencionam levar a guerra até ao limite do seu poder e que não se deixaria ditar pelo senador Schumer ou pelo presidente Biden".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Altos funcionários de mais de 30 países reunidos em Chipre para discutir ajuda humanitária a Gaza

Blinken diz no Qatar que a prioridade é evitar que conflito no Médio Oriente se alastre

Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha: "É possível que já estejamos a viver uma guerra mundial"