Mapas de guerra: Lukashenko contradiz o Kremlin sobre fuga de suspeitos após ataque em Moscovo

Alexander Lukashenko
Alexander Lukashenko Direitos de autor Pavel Bednyakov/Sputnik via AP
De  Sasha Vakulina
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alexander Lukashenko, presidente da Biolerrúsia, afirmou que os atacantes do Crocus City Hall iam fugir para a Bielorrússia e não para a Ucrânia, contrariando a narrativa do Kremlin.

PUBLICIDADE

O Presidente russo e outros altos funcionários do Kremlin parecem estar a esforçar-se por manter uma linha retórica coerente sobre o ataque à sala de concertos Crocus City Hall, o que indica que o Kremlin ainda não descobriu totalmente como conciliar as suas operações de informação com a realidade do fracasso dos seus serviços de informação e de aplicação da lei, - afirma a ISW.

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, afirmou que os atacantes fugiram originalmente para a Bielorrússia e não para a Ucrânia, minando diretamente a narrativa do Kremlin sobre o envolvimento da Ucrânia, possivelmente para evitar perguntas sobre o motivo pelo qual os atacantes se dirigiram para a Bielorrússia.

Imagens geolocalizadas de 23 de março mostram pessoal russo a capturar os quatro atacantes numa zona florestal ao longo da autoestrada E101, cerca de 20 km a sudeste da cidade de Bryansk. 

O local geolocalizado da captura situa-se a cerca de 95 km da fronteira ucraniana no ponto mais próximo, ou a 130 km do ponto em que esta autoestrada atravessa a Ucrânia. Este ponto situa-se, nomeadamente, a cerca de 124 km da fronteira com a Bielorrússia e a cerca de 25 km da autoestrada A-240, que vai para Gomel, na Bielorrússia.

A declaração de Lukashenko sobre a ativação de pessoal bielorrusso sugere um cenário em que os atacantes estavam inicialmente a viajar ao longo desta autoestrada em direção à Bielorrússia, mas viram bloqueios de estrada ou outros impedimentos e mudaram o seu curso para leste através de estradas florestais para a rota E101.

Lukashenko tem muito poucos incentivos evidentes para mentir sobre os factos do ataque desta forma, afirma o ISW.

E embora a sua afirmação subverta a narrativa do Kremlin, reduz a sua vulnerabilidade aos esforços do Kremlin para utilizar informações não públicas sobre os planos de fuga originais dos atacantes para o pressionar no futuro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia detém homem do Quirguistão suspeito de estar envolvido no último ataque a Moscovo

Ataque de Moscovo: número de mortos sobe para 139; detidos mais três suspeitos

Suspeitos do ataque de Moscovo acusados e apresentados à imprensa com sinais de violência