Hungria recusa prisão domiciliária para ativista antifascista italiana

Ilaria Salis, ativista antifascista italiana
Ilaria Salis, ativista antifascista italiana Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Juiz considerou que havia "risco de fuga" e Ilaria Salis vai continuar detida numa prisão da Hungria. Professora de 39 anos, natural de Milão, enfrenta até 24 anos de cadeia pelo alegado ataque a dois militantes neonazis.

PUBLICIDADE

A ativista italiana Ilaria Salis terá de permanecer numa prisão da Hungria, depois de um juiz ter recusado esta quinta-feira o pedido de prisão domiciliária, apresentado pela defesa, alegando "risco de fuga".

A cidadã italiana detida na Hungria há 13 meses por um alegado a ataque a dois militantes de extrema-direita chegou na manhã desta quinta-feira ao tribunal de Budapeste novamente algemada e acorrentada. Foi conduzida, como se estivesse presa por uma trela, por um agente da polícia até à sala de audiências. 

No final de janeiro, Ilaria Salis já tinha comparecido em tribunal com algemas nos pulsos e correntes nos pés. 

As imagens da audiência anterior causaram polémica em Itália e Roma protestou contra as condições de detenção da ativista. 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Péter Szijjártó, disse estar chocado com as reações italianas ao caso, afirmando que Salis está a ser falsamente retratada como vítima e mártir.

Risco de pena pesada

A professora primária pode ser condenada a 24 anos de prisão pelas alegadas agressões, em fevereiro de 2023, a dois neonazis durante o chamado"Dia de Honra" em Budapeste, uma comemoração anual da revolta germano-húngara contra o cerco soviético, em 1945.

Os advogados de Salis estavam a tentar que ela fosse colocada em regime de prisão domiciliária na Hungria, o que, se tivesse acontecido, teria permitido a Roma pedir a sua transferência para prisão domiciliária em Itália.

O pai da mulher, Roberto Salis, disse que a sua filha está a ser vítima de um julgamento político.

"A situação da minha filha está a tornar-se cada vez mais um processo político", afirmou numa conferência de imprensa realizada este mês no Parlamento Europeu, organizada pelo eurodeputado da Aliança Verde-Esquerda Massimiliano Smeriglio e pelo eurodeputado do Partido Democrático (PD) Brando Benifei.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Roma critica condições de detenção de italiana na Hungria

Comissão Europeia não vai acionar "opção nuclear" contra Hungria enquanto não houver clara maioria a favor

Itália: Antifascistas chocam com polícia durante reunião da extrema-direita