EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Finlândia em choque com crime de criança de 12 anos

Tiroteio está a deixar a Finlândia chocada
Tiroteio está a deixar a Finlândia chocada Direitos de autor Markku Ulander/Lehtikuva
Direitos de autor Markku Ulander/Lehtikuva
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O jovem abriu fogo sobre um grupo de colegas na escola. Um deles sucumbiu aos ferimentos e outros dois ficaram feridos com gravidade. Primeiro-ministro alertou para o problema da saúde mental.

PUBLICIDADE

A Finlândia está em choque com a notícia desta terça-feira: uma criança foi morta a tiro e duas outras ficaram gravemente feridas num ataque perpetrado por outro aluno da escola. Tanto o atirador como as vítimas tinham a mesma idade: 12 anos. O incidente ocorreu pouco depois das 9 da manhã, hora local, no complexo escolar de Viertola, em Vantaa, um subúrbio de Helsínquia.

Ao expressar condolências, o primeiro-ministro falou de uma crise de saúde mental que afeta a juventude do país.

"É evidente que demasiados jovens, mesmo um em cada três, tiveram dificuldades com a saúde mental em algum momento das suas vidas. Temos de ser capazes de intervir mais cedo nestas questões. Estamos sempre a trabalhar nesse sentido. No que diz respeito a este incidente, vamos analisá-lo muito bem e tiraremos as conclusões necessárias mais tarde", disse Petteri Orpo.

Temos de ser capazes de intervir mais cedo nestas questões (de saúde mental).
Petteri Orpo
Primeiro-ministro da Finlândia

A polícia está a investigar as circunstâncias do tiroteio e o possível motivo. Diz que a arma utilizada tem licença e pertence a um familiar do atirador. O jovem foi detido na zona de Helsínquia pouco depois do ataque.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Detidos suspeitos de morte de menina de dois anos

Finlândia: rapaz de 12 anos diz que disparou contra colegas porque era alvo de bullying

PM da Finlândia pede ao parlamento que não enfraqueça projeto de lei para deportação de migrantes