EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eleições presidenciais na Eslováquia: uma nova era na relação do país com a UE?

Eleições na Eslováquia: uma nova era na relação do país com a UE?
Eleições na Eslováquia: uma nova era na relação do país com a UE? Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Eslováquia volta às urnas, este sábado, para eleger o novo presidente. Ivan Korčok venceu a primeira volta com 42,5% dos votos, Peter Pellegrini conquistou 37%.

PUBLICIDADE

A Eslováquia prepara-se para ir às urnas este sábado, na segunda volta das eleições presidenciais.

Num momento crítico para a relação da Eslováquia com a União Europeia e a NATO, as eleições presidenciais de sábado opõem o pró-europeu Ivan Korčok a Peter Pellegrini, um aliado do primeiro-ministro populista e pró-russo Robert Fico.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Ivan Korčok venceu a primeira volta das eleições presidenciais com 42,5% dos votos, já o social-democrata Peter Pellegrini conquistou 37%. O ato eleitoral registou uma taxa de participação recordede quase 52%.

Enquanto o candidato liberal criticou governo pelo isolamento da Eslováquia na UE, Pellegrini centrou a sua campanha na cooperação com o executivo. Pellegrini parece estar em melhor posição para atrair os eleitores nacionalistas de Stefan Harabin, que não passou à segunda volta e teve 11,7%, segundo as agências internacionais.

Porque é que estas eleições são importantes para a UE?

Robert Fico chegou ao poder no outono de 2023 e adotou posições pró-russas na sua política externa, enquanto na sua política interna tentou controlar a radiodifusão pública e minar as instituições independentes: desmantelou o gabinete do procurador anti-corrupção, que estava a investigar membros do seu próprio partido.

A UE manifestou a sua preocupação com a deriva do governo, que pode representar um afastamento dos valores democráticos e uma aproximação a políticas como as da Hungria de Viktor Orbán - um político admirado por Fico.

Embora o papel do presidente eslovaco seja sobretudo cerimonial, a sua capacidade de vetar leis pode funcionar como um contrapeso ao executivo, como fez a presidente cessante, a liberal Zuzana Čaputová, nos últimos meses.

Como é que as eleições influenciam a relação com a UE?

Estas eleições presidenciais são vistas como um teste à posição da Eslováquia na UE. De acordo com as agências internacionais, uma parte da população receia que caso Pellegrini ganhe, este apoie uma política externa pró-russa e práticas internas que possam afastar ainda mais a Eslováquia da UE.

Se Pellegrini não exercer um papel moderador relativamente aos planos do governo, a relação da Eslováquia com a UE poderá deteriorar-se, incluindo a potencial perda de fundos comunitários.

A Eslováquia sob a liderança de Fico

Fico foi primeiro-ministro da Eslováquia em três mandatos diferentes desde 2000 até 2018. As suas posições sociais-democratas iniciais mudaram muito desde que foi forçado a demitir-se em 2018, na sequência do assassinato do jornalista Ján Kuciak, que estava a investigar as ligações do crime organizado ao poder político.

Durante a pandemia, Fico atacou as restrições governamentais e questionou o efeito das vacinas. Nos últimos tempos,  tem-se voltado cada vez mais para posições ultranacionalistas, anti-imigração e anti-UE muito semelhantes às de Orbán. Voltou vencer eleições para governar em outubro de 2023.

Fico e as restrições à liberdade de imprensa

As medidas controversas de Fico são vistas pela oposição como uma tentativa de consolidar o seu poder, limitar a independência judicial e restringir a liberdade de imprensa.

A presidente cessante, Caputova, que Fico insultou repetidamente e descreveu como "agente americana" declarou que não se iria candidatar à reeleição, apesar da sua grande popularidade. Isto porque Caputova revelou que não podia aguentar mais cinco anos no cargo devido às ameaças de morte de que ela e a família foram alvo.

Fico repetiu alguns dos boatos da Rússia sobre a Ucrânia ser um "Estado nazi" e pôs fim ao apoio militar eslovaco a Kiev porque "prolongou a guerra", segundo as agências internacionais.

A 2 de março, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia, Juraj Blanar, reuniu-se com o homólogo russo, Sergei Lavrov, na Turquia, suscitando críticas de vários parceiros da UE.

A proximidade do overno de Fico à Rússia originou preocupações quanto à coesão do bloco, especialmente em questões relacionadas com a defesa e a política externa.

Embora a Eslováquia ainda não tenha bloqueado decisões importantes da UE ou da NATO relacionadas com a Ucrânia, a tendência pró-russa da sua política externa levanta questões sobre a fiabilidade da Eslováquia como parceiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidenciais eslovacas são teste à posição de Bratislava na União Europeia

A proliferação de notícias falsas na Eslováquia serve de aviso à UE

Primeiro-ministro eslovaco foi submetido a nova operação e permanece em estado crítico