EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Discurso do Primeiro-Ministro sueco em Estocolmo
Discurso do Primeiro-Ministro sueco em Estocolmo Direitos de autor Pontus Lundahl/AP
Direitos de autor Pontus Lundahl/AP
De  EBU com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro sueco diz que "foi ultrapassado novo limite" depois de uma criança de 12 anos ter visto o seu pai a ser baleado num confronto em Estocolmo.

PUBLICIDADE

Um cidadão polaco de 39 anos foi mortalmente baleado na sequência de um confronto com um grupo de jovens em Estocolmo, na noite de quarta-feira, 10 de abril. A nacionalidade do homem foi confirmada pelo seu cunhado à Agência Polaca de Imprensa (PAP) na quinta-feira.

O incidente ocorreu quando o homem e o seu filho de 12 anos se dirigiam para uma piscina no bairro de Skarholmen, em Estocolmo. Os relatos sugerem que se depararam com um grupo de jovens numa passagem subterrânea, o que levou a uma troca de palavras entre o homem e os adolescentes. A situação agravou-se, resultando num tiro fatal que tirou a vida ao homem, testemunhado pelo seu próprio filho.

Falando no local do tiroteio, o primeiro-ministro da Suécia, afirmou: "É uma espécie de atitude desumana e animalesca. Não podemos aceitar isto".

"(...) matar a tiro uma pessoa que não tem nada a ver com isto. À frente do seu filho, uma criança. É uma crueldade (...) dificilmente pode ser descrita. É uma crueldade inimaginável. É uma espécie de desumanidade, uma atitude animalesca. Não podemos aceitar isto", disse Ulf Kristersson.

O tiroteio espoletou "raiva, desespero e tristeza" junto dos residentes que também criticaram os políticos por pouco ou nada fazerem, além de dizerem "palavras bonitas" em tempo de eleições.

"Em primeiro lugar, compreendo perfeitamente a raiva. Não há outra reação humana que não seja essa. Mas também quero dizer que vim aqui para mostrar o meu respeito por falar com os familiares, mas também para lhes dizer o que estamos a fazer agora", respondeu o chefe de governo quando questionado sobre a "tremenda raiva" dos cidadãos.

"Estamos agora a fazer tudo o que dissemos que faríamos e tudo o que é necessário. Estamos a fazê-lo com força. Estamos a fazê-lo com a rapidez que a Constituição permite. Estamos até a forçar a barra, pelo que há quem pense que estamos a forçar demasiado a barra. Mas estamos a fazer tudo isto e eu estou determinado. Isto vai ser resolvido, mas não devemos hesitar agora. Vamos fazer tudo o que for preciso para travar estes assassinos que estão a destruir a vida de tantas pessoas", garantiu Ulf Kristersson .

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agentes da autoridade mortos a tiro no Estado de Nova Iorque

Suspeitos de planearem ataque terrorista ao parlamento sueco foram detidos na Alemanha

Quatro suspeitos de terrorismo detidos na Suécia