EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Jornalistas têm acesso raro a submarino nuclear francês da classe Rubis

Um tripulante caminha ao longo do topo de um dos submarinos franceses da classe Rubis
Um tripulante caminha ao longo do topo de um dos submarinos franceses da classe Rubis Direitos de autor Captura de ecrã de vídeo AP
Direitos de autor Captura de ecrã de vídeo AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os submarinos da classe Rubis, construídos nos anos 80, estão a ser retirados da marinha francesa e a ser substituídos por modelos mais recentes.

PUBLICIDADE

Os jornalistas tiveram um raro acesso a um dos submarinos nucleares franceses da classe Rubis, enquanto este estava a ser preparado para o mar nos estaleiros navais de Toulon.

A frota de submarinos nucleares da marinha francesa está geralmente envolta em secretismo.

Este é um dos três submarinos de ataque da classe Rubi da marinha francesa e transporta uma tripulação de 70 pessoas.

É alimentado por um reator nuclear, pelo que pode patrulhar o oceano durante meses sem reabastecer.

O Rubis pode transportar torpedos e mísseis antissubmarinos e antinavio. Uma das funções é proteger a frota de submarinos de maiores dimensões com armas nucleares, dos quais França possui quatro.

Explica Manuel Bienvenu, comandante do submarino: "Somos um submarino nuclear de ataque. Isso significa que temos propulsão nuclear, como referi anteriormente. Portanto, temos todas as vantagens da propulsão nuclear. Mas temos a missão convencional dos submarinos, ou seja, guerra antissubmarina, guerra antissuperfície, recolha de informações e trabalho com forças especiais - mas não temos armas nucleares a bordo deste tipo de submarino".

Este submarino irá escoltar o porta-aviões Charles de Gaulle numa operação no Mediterrâneo com a NATO.

"Há duas operações da NATO em que o grupo de ataque de porta-aviões está a participar e das quais nós vamos fazer parte - Neptune Strike e Noble Shield. São missões permanentes da NATO no Mediterrâneo e são uma garantia da NATO, na qual participaremos como membro da escolta do grupo de ataque de porta-aviões, diz Bienvenu.

Mas os dias da classe Rubis estão contados. A marinha francesa está a substituí-los por submarinos nucleares mais recentes, mais modernos e mais fortemente armados. Três já foram retirados, o que representa metade da frota. 

O primeiro dos novos submarinos de ataque da classe Suffren está em serviço desde junho de 2022 e outros quatro juntar-se-ão à frota até 2030.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO quer tornar ajuda à Ucrânia regular e estável

Macron no Brasil: presidente francês lança submarino e anuncia investimento de mil milhões de euros

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon