Macron no Brasil: presidente francês lança submarino e anuncia investimento de mil milhões de euros

Presidente francês Emmanuel Macron com o presidente do Brasil, Lula da Silva.
Presidente francês Emmanuel Macron com o presidente do Brasil, Lula da Silva. Direitos de autor Silvia Izquierdo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Silvia Izquierdo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Macron e Lula da Silva reforçaram parceria militar com lançamento de submarino. Presidente do Brasil tenta eliminar opsição de Macron ao acordo Mercosul-UE. Presidente francês procura aumentar apoio brasileiro à Ucrânia.

PUBLICIDADE

Os presidentes da França e do Brasil lançaram esta quarta-feira no estaleiro de Itaguaí, na região metropolitana do Rio de Janeiro, um submarino com propulsão diesel-elétrica, construído no Brasil com tecnologia francesa. 

Batizado com o nome da batalha naval de Tonelero, vencida pelo Brasil contra a rival Argentina em 1851, este é o terceiro de quatro submarinos construídos no âmbito de uma parceria entre os dois países, iniciada por Lula e Sarkozy em 2008.

Macron quer reaproximar França do Brasil

A França de Emmanuel Macron optou por desenvolver laços fortes com o Brasil, a primeira potência da América do Sul. Um país que se vê como líder - juntamente com o México - da América Latina.

As relações entre os dois países melhoraram desde que Lula derrotou Jair Bolsonaro e voltou a voltou a assumir a liderança do Palácio do Planalto para um terceiro mandato à frente dos destinos do Brasil. 

Macron é o primeiro presidente francês a visitar o Brasil em 11 anos. 

Investimento na Amazónia

França e Brasil anunciaram um plano conjunto para investir mil milhões de euros na Amazónia, incluindo partes da floresta tropical na vizinha Guiana Francesa. O dinheiro será distribuído ao longo dos próximos quatro anos para financiar projetos de desenvolvimento sustentável e de proteção da floresta amazónica.

A desflorestação na Amazónia brasileira diminuiu para metade em 2023, um êxito para Lula, que prometeu travar o fenómeno até 2030.

Lula e Macron procuram "definir um rumo comum" para lutar contra as alterações climáticas e a pobreza, disse o gabinete de Macron, uma vez que o Brasil vai acolher a cimeira do Grupo das 20 principais economias mundiais no Rio de Janeiro, em novembro, e a COP 2030 em Belém, no próximo ano.

Ucrânia e Acordo Mercosul-UE na agenda

Tanto Paris como Brasília indicaram que as negociações sobre o acordo comercial do Mercosul, que já duram há duas décadas, não serão um dos principais objectivos da viagem de Macron.

Ainda assim, Lula deve aproveitar a ocasião para tentar convencer o líder francês a pôr fim à oposição ao acordo de comércio livre entre a UE e o Mercosul

Antes da viagem, fontes do governo francês disseram à Bloomberg que Macron tentará convencer Lula a aproximar-se do apoio à Ucrânia como um dos líderes do Sul Global.

E em relação à Ucrânia, ele é a alternativa a Lula. Vem de um movimento político que denuncia o atual quadro internacional, que não rompeu com a Rússia. O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, visitou o Brasil duas vezes este ano, antes de ir para a Venezuela e Cuba. Lula gostaria que o Brasil atuasse como mediador nas negociações de paz entre os dois países.

O Brasil insiste que Kiev e Moscovo partilham a responsabilidade pela guerra e manteve relações com a Rússia desde a invasão

Macron iniciou a sua visita de três dias ao Brasil na cidade amazónica de Belém e seguiu de barco para a ilha de Combu para se encontrar com líderes indígenas. Depois vai reunir-se com investidores brasileiros no mesmo dia e na quinta-feira vai a Brasília para se encontrar novamente com Lula e concluir a sua visita oficial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron mantém no ar envio de tropas ocidentais para a Ucrânia: "Todas as opções são possíveis"

"É preciso ser realista", diz Macron sobre a guerra na Ucrânia

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris