EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Orbán na abertura da campanha para as europeias do Fidesz: "O que Bruxelas está a fazer é brincar com o fogo"

Um excerto do discurso de Orbán transmitido pela Internet
Um excerto do discurso de Orbán transmitido pela Internet Direitos de autor Forrás: Youtube/Orbán Viktor
Direitos de autor Forrás: Youtube/Orbán Viktor
De  Rita Konya
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em húngaro

Segundo o primeiro-ministro húngaro, existe atualmente uma maioria pró-guerra em Bruxelas, o clima na Europa é de guerra e a política é dominada pela lógica da guerra.

PUBLICIDADE

"Sem migração, sem género, sem guerra" - este é o manifesto eleitoral dos partidos do governo, afirmou o Primeiro-Ministro no lançamento oficial da campanha do Fidesz. No evento em Millenáris, Orbán afirmou que, com todo este trabalho, o Fidesz é o claro favorito para as eleições. Sublinhou ainda que a paz e a segurança do povo húngaro, os resultados económicos, as famílias e as crianças devem ser protegidos.

Orbán enviou também uma mensagem a Bruxelas: na sua opinião, os líderes europeus caíram na guerra e estão a combatê-la como se fosse sua.

"Não nos esqueçamos. Primeiro, tratava-se apenas de enviar capacetes. Muito bem, deixem ir os capacetes. Depois, sanções, mas não para os transportadores de energia, claro. Depois, sim, também para esses. Depois vieram as transferências de armas: primeiro armas de fogo, depois tanques, depois aviões. Depois, a ajuda financeira: dezenas de milhares de milhões e mais. Agora estamos algures à volta dos 100 mil milhões de euros. E a situação não está a melhorar, está a piorar. Estamos a um passo de o Ocidente enviar tropas para a Ucrânia: é um vórtice de guerra. Bruxelas está a brincar com o fogo - o que está a fazer é um ato de tentação".

"Os governos pró-guerra, os burocratas de Bruxelas, a rede de George Soros estão a enviar milhões de dólares para Budapeste, para a esquerda pró-guerra. Que não escondem o facto de quererem uma mudança de governo à medida dos seus clientes. Um governo pró-guerra em vez de um governo pró-paz, um governo fantoche subordinado a Bruxelas e Washington em vez de um governo nacional", acrescentou.

A questão da guerra esteve na ordem do dia horas antes do lançamento da campanha, quando o primeiro-ministro húngaro e a chefe de Estado suíço se encontraram em Budapeste. Viola Amherd apresentou as suas ideias a Viktor Orbán sobre a conferência de paz que terá lugar na Suíça em junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Análise: Conferência de populistas de direita capitaliza "liberdade de expressão"

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita onde estava Orbán

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán