EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Gabinete de Netanyahu aprova encerramento da delegação da Al Jazeera em Israel

Al Jazeera banida de Israel
Al Jazeera banida de Israel Direitos de autor CHARLIE NEIBERGALL/AP2004
Direitos de autor CHARLIE NEIBERGALL/AP2004
De  Manuel Ribeiro Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro Israelita, Benjamin Netanyahu, assinou e anunciou o fecho da redação local da estação de televisão Al Jazeera.

PUBLICIDADE

Benjamin Netanyahu, anunciou no domingo que o seu governo votou por unanimidade o fecho da delegação da estação de televisão do Qatar em Israel.

“O meu governo decidiu por unanimidade: o canal de incitamento Al Jazeera vai fechar em Israel', diz o post escrito em hebraico na rede social X.

Netanyahu agradece o trabalho do seu ministro das Comunicações. De acordo com Shlomo Karhi, o canal de televisão do Qatar “prejudica a segurança do país”, escreveu na rede X, em hebraico.

As implicações para o encerramento da emissora de notícias não estão ainda claras. Não foi dito quando a proibição entra em vigor e se a decisão será permanente ou temporária.

De acordo com a imprensa israelita citada pela AP, a votação permite que Israel bloqueie o canal de operar no país por 45 dias.

Um correspondente da Al Jazeera disse à AP que a ordem afetaria as operações da emissora em Jerusalém Oriental. E que não impacta as operações do canal em territórios palestinianos.

Mais tarde, o chefe da delegação da Al Jazeera na Palestina, disse que "a decisão do governo de Netanyahu veio de acordo com a chamada lei de emergência e como resultado de uma campanha contínua de incitação contra a Al Jazeera e suas tripulações desde o início da guerra em Gaza", refere Walid al-Omari à estação de televisão do Qatar.

Em nota publicada no site oficial, o canal de Doha descreveu a decisão do governo israelita como "uma medida que continua a enganar e a difamar" e sublinha que vai continuar a prestar serviços de informação ao público em todo o mundo, o que é garantido por convenções internacionais.

"A repressão de Israel à imprensa livre para encobrir seus crimes de matar e prender jornalistas não nos dissuadiu de cumprir nosso dever", diz o comunicado, lembrando que "mais de 140 jornalistas palestinos foram martirizados em nome da verdade desde o início da guerra em Gaza", escreve a estação de televisão no seu site oficial.

Israel tem tido uma relação tensa com a Al Jazeera, acusando-a de parcialidade e incitamento contra o país. A decisão de proibir o canal de notícias marca uma escalada na disputa entre Israel e a Al Jazeera e também ameaça aumentar as tensões políticas com o Qatar, que tem desempenhado um papel fundamental nos esforços de mediação para parar a guerra entre Israel e o Hamas.

A Al Jazeera tem sido uma das poucas emissoras a permanecer em Gaza durante a guerra e transmitiu cenas de ataques aéreos e hospitais superlotados.

A Al Jazeera acusa Israel de massacres, enquanto Israel acusa a Al Jazeera de colaborar com o Hamas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel aprova lei que permite silenciar Al Jazeera

Repórter da Al Jazeera morto por drone israelita em Gaza

Primeiro-ministro israelita exige rendição do Hamas