EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Afegãos procuram sobreviventes após as inundações que causaram centenas de mortos

Mais de 300 mortos após chuvas e inundações no Afeganistão
Mais de 300 mortos após chuvas e inundações no Afeganistão Direitos de autor STR/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor STR/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas estima que as chuvas sazonais invulgarmente fortes no Afeganistão causaram a morte de mais de 300 pessoas e destruíram milhares de casas, a maioria das quais em Baghlan, a zona mais afetada pelas inundações de sexta-feira.

PUBLICIDADE

Os sobreviventes das inundações que afetaram o afeganistão ficaram sem casa, sem terra e sem fonte de subsistência, disse o Programa Alimentar Mundial (PAM), uma das maiores agências humanitárias do mundo. A maior parte de Baghlan, a zona mais afetada pela água, é "inacessível por camiões", disse, acrescentando que está a recorrer a todas as alternativas possíveis para fazer chegar os alimentos aos sobreviventes.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou as suas condolências às vítimas, segundo um comunicado divulgado no domingo, acrescentando que o organismo mundial e as agências de ajuda estão a trabalhar com o governo dirigido pelos talibãs para ajudar.

"As Nações Unidas e os seus parceiros no Afeganistão estão a coordenar-se com as autoridades de facto para avaliar rapidamente as necessidades e prestar assistência de emergência", segundo o comunicado.

Entre as vítimas mortais contam-se 51 crianças, segundo a UNICEF, um dos vários grupos de ajuda internacional que estão a enviar equipas de socorro, medicamentos, agasalhos e outros artigos. A Organização Mundial de Saúde disse que entregou 7 toneladas de medicamentos e kits de emergência para as áreas afetadas.

Entretanto, a agência das Nações Unidas para a migração tem estado a distribuir pacotes de ajuda que incluem abrigos temporários, artigos não alimentares essenciais, módulos solares, vestuário e ferramentas para reparar os abrigos danificados.

A mais recente catástrofe veio na sequência de uma anterior, quando pelo menos 70 pessoas morreram em abril devido a fortes chuvas e inundações repentinas no país. As águas também destruíram cerca de 2.000 casas, três mesquitas e quatro escolas nas províncias ocidentais de Farah e Herat, e nas províncias meridionais de Zabul e Kandahar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cheias no Brasil deixam mais de 100 mortos e milhares de desalojados

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"

Centro da Grécia demora a recuperar das cheias