EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Resgate dos quatro reféns provocou 274 mortos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza

Palestinianos mortos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são levados para o Hospital al-Aqsa em Deir al-Balah, no centro da Faixa de Gaza, sábado, 8 de junho de 2024.
Palestinianos mortos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são levados para o Hospital al-Aqsa em Deir al-Balah, no centro da Faixa de Gaza, sábado, 8 de junho de 2024. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Daniel Bellamy com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O Ministério da Saúde de Gaza afirma que pelo menos 274 palestinianos foram mortos no ataque aéreo e terrestre israelita que resgatou quatro reféns detidos pelo Hamas.

PUBLICIDADE

O Ministério da Saúde de Gaza afirma que pelo menos 274 palestinianos foram mortos no ataque aéreo e terrestre israelita que resgatou quatro reféns detidos pelo Hamas.

O ministério disse no domingo que cerca de 700 pessoas também ficaram feridas na operação de sábado.

As Nações Unidas e outras instituições e peritos internacionais, bem como as autoridades palestinianas da Cisjordânia - rivais do Hamas - afirmam que o Ministério de Gaza há muito que faz um esforço de boa-fé para contabilizar os mortos nas condições mais difíceis.

O principal responsável pelos negócios estrangeiros da UE afirmou que "o banho de sangue deve terminar imediatamente".

A operação nas profundezas do centro de Gaza foi a maior operação de salvamento desde 7 de outubro, quando o Hamas e outros militantes atravessaram a fronteira, matando cerca de 1200 pessoas e fazendo cerca de 250 reféns.

Em Gaza, os médicos descreveram cenas de horror e caos à medida que os feridos afluíam aos hospitais mais próximos, que já se debatiam para tratar os feridos de dias de fortes ataques israelitas na zona.

"Tivemos toda a gama de ferimentos de guerra, ferimentos traumáticos, desde amputações a eviscerações, traumatismos, TCEs (traumatismos crânio-encefálicos), fracturas e, obviamente, grandes queimaduras", disse Karin Huster dos Médicos Sem Fronteiras, uma instituição de caridade internacional que trabalha no Hospital dos Mártires de Al-Aqsa, uma das instalações que recebeu mortos e feridos.

"Crianças completamente cinzentas ou brancas devido ao choque, queimadas, a gritar pelos pais. Muitos deles não estão a gritar porque estão em choque".

Uma série de fotografias tiradas pela Associated Press mostrou a extensão da destruição de edifícios na zona por parte de Israel, bem como alguns dos feridos, incluindo crianças.

Palestinianos observam as consequências do bombardeamento israelita no campo de refugiados de Nuseirat, na Faixa de Gaza, sábado, 8 de junho de 2024.
Palestinianos observam as consequências do bombardeamento israelita no campo de refugiados de Nuseirat, na Faixa de Gaza, sábado, 8 de junho de 2024. Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Palestinianos evacuam os mortos e feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, em Deir al Balah, no sábado, 8 de junho de 2024.
Palestinianos evacuam os mortos e feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, em Deir al Balah, no sábado, 8 de junho de 2024.Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Palestinianos feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são tratados no Hospital al-Aqsa em Deir al Balah, no sábado, 8 de junho de 2024.
Palestinianos feridos nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são tratados no Hospital al-Aqsa em Deir al Balah, no sábado, 8 de junho de 2024.Mohammed Hajjar/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

O exército israelita afirmou ter atacado "ameaças às nossas forças na zona" e que um oficial das forças especiais foi morto na operação de salvamento.

Os israelitas festejaram o regresso de Noa Argamani, 26 anos, Almog Meir Jan, 22 anos, Andrey Kozlov, 27 anos, e Shlomi Ziv, 41 anos, no sábado, depois de as forças israelitas terem atacado dois locais ao mesmo tempo, sob fogo.

A guerra de Israel em Gaza já matou mais de 36 700 palestinianos, segundo o ministério, que não faz distinção entre civis e combatentes nas suas contagens.

Israel tem também efectuado incursões em cidades e vilas palestinianas na Cisjordânia para reprimir a militância, o que causou a morte de cerca de 530 palestinianos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

“Tragam toda a gente para casa”: Milhares de pessoas em Telavive exigem a libertação dos reféns do H

Alto-representante do Programa Alimentar alerta para "catástrofe" sanitária no sul de Gaza

EUA dizem estar a avaliar resposta do Hamas ao plano de cessar-fogo norte-americano na Faixa de Gaza