EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

“Tragam toda a gente para casa”: Milhares de pessoas em Telavive exigem a libertação dos reféns do H

Manifestação em Telavive pela libertação de todos os reféns
Manifestação em Telavive pela libertação de todos os reféns Direitos de autor Maya Alleruzzo/Copyright 2024 The AP All rights reserved
Direitos de autor Maya Alleruzzo/Copyright 2024 The AP All rights reserved
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde que Israel lançou a sua ofensiva militar em Gaza, mais de 100 reféns foram libertados durante um cessar-fogo de uma semana em novembro do ano passado. No entanto, têm sido frustrados os esforços para chegar a um novo acordo de tréguas.

PUBLICIDADE

Milhares de pessoas protestaram em Telavive para exigir que o governo israelita faça mais para garantir a libertação dos reféns ainda detidos pelo Hamas em Gaza.

Os protestos semanais têm também uma componente antigovernamental, com muitos a exigirem que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu convoque novas eleições e dê lugar a um sucessor.

"Não estou preparado para viver num mundo cheio de morte. Não estou preparado para viver num país com um governo que nos manda instalar nas fronteiras e lutar em guerras e que, no fim, nos abandona. Não estou preparado para viver sem um pai", disse Ofer Kalderon, filho de Rotem Kalderon, um dos reféns capturados pelo Hamas.

O Hamas lançou uma incursão no sul de Israel em outubro passado, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo 250 outras reféns.

Desde que Israel lançou a sua ofensiva militar em Gaza, mais de 100 reféns foram libertados durante um cessar-fogo de uma semana em novembro do ano passado.

Mas os esforços para chegar a um novo acordo de tréguas que inclua a troca de reféns israelitas por prisioneiros palestinianos têm sido, até agora, um impasse.

Não estou preparado para viver num país com um governo que nos manda instalar nas fronteiras e lutar em guerras e que, no fim, nos abandona.
Ofer Kalderon
Filho do refém israelita Rotem Kalderon

Um dos objetivos declarados da campanha militar de Israel era libertar os reféns detidos em Gaza, mas em oito meses, apenas sete foram libertados.

Três outros foram mortos por engano pelas forças israelitas depois de terem fugido sozinhos e o Hamas afirma que outros foram mortos em ataques aéreos israelitas. Israel calcula que cerca de 80 pessoas continuam detidas pelo Hamas, com os corpos de outras 40.

"Digam sim ao acordo, tragam toda a gente de volta a casa; os vivos para reabilitação e as suas famílias e os mortos para um enterro digno no seu país", disse Michal Lubnov, a mulher do refém Alex Lubnov.

A ofensiva israelita em Gaza já matou mais de 37.000 palestinianos, segundo as autoridades sanitárias locais, que não fazem distinção entre civis e combatentes.

A ofensiva também desencadeou uma catástrofe humanitária em Gaza, onde mais de 80% da população foi deslocada e as restrições israelitas e os combates em curso dificultaram os esforços de transporte de ajuda humanitária, alimentando a fome generalizada.

A guerra inconclusiva também dividiu a opinião pública israelita, com milhares de pessoas a saírem à rua todos os sábados à noite para apelar ao governo para chegar a um acordo que permita trazer os reféns para casa. Alguns acusam Benjamin Netanyahu de dar prioridade à sua sobrevivência política em detrimento da vida dos reféns.

Entretanto, os palestinianos do sul da Faixa de Gaza fizeram fila debaixo de um sol escaldante para terem acesso à água dos camiões de ajuda humanitária em Khan Younis, onde dezenas de milhares de pessoas vivem sobretudo em tendas de plástico.

As pessoas deslocadas estão a lutar contra as altas temperaturas, a falta de alimentos e de água e a escassez ou inexistência de material médico.

Isto acontece um dia depois de um alto-funcionário da WFP ter afirmado que se estava a verificar uma "catástrofe em termos de água e saneamento" no sul de Gaza, agravada pelo número crescente de pessoas deslocadas da cidade de Rafah, no extremo sul do país.

"As pessoas estão a acampar nas ruas, na praia, na melhor das hipóteses com algum tipo de abrigo. Mas, sabe, estávamos a passar por rios de esgotos", disse Carl Skau, Diretor Executivo Adjunto da WFP.

No mesmo dia, um porta-voz da UNICEF disse à BBC que um dos seus comboios tinha sido impedido de entrar no norte de Gaza, apesar de ter todos os documentos necessários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Resgate dos quatro reféns provocou 274 mortos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza

Vários detidos durantes protestos anti-governo em Telavive

Protestos pelos reféns em Telavive degeneram em confrontos com a polícia