EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado

Pessoas seguram retratos de franceses detidos no Irão, incluindo Louis Arnaud, durante um protesto em Paris, sábado, 28 de janeiro de 2023.
Pessoas seguram retratos de franceses detidos no Irão, incluindo Louis Arnaud, durante um protesto em Paris, sábado, 28 de janeiro de 2023. Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Louis Arnaud regressou a casa depois de passar 20 meses num prisão do Irão por ter participado em manifestações após a morte de Mahsa Amini.

PUBLICIDADE

No final da tarde de quarta-feira, 12 de junho, Emmanuel Macron anunciou a libertação de Louis Arnaud, francês detido no Irão em setembro de 2022.

O jovem francês aterrou no aeroporto de Le Bourget, nos arredores de Paris, hoje por volta das 9:00 e foi recebido pela família e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Stéphane Séjourné.

Louis foi detido em setembro de 2022, juntamente com outros europeus, acusados de participarem em manifestações na sequência da morte de Mahsa Amini, uma jovem curda iraniana que morreu depois de ter sido detida pela polícia de segurança.

Louis Arnaud, de 30 anos, fazia uma viagem à volta do mundo quando o episódio aconteceu. O Irão era um país que estava na sua lista de preferências. "Um país que sonhava visitar há muito tempo devido à sua história rica e à simpatia do seu povo", contava a mãe, Sylvie Arnaud, numa entrevista dada há uns meses.

Contudo, ainda estão presos outros cidadãos franceses, como Cécile Kohler e o seu marido Jacques Paris condenados por "espionagem". Na sua comunicação de quarta-feira à noite, o Presidente francês Nicolas Sarkozy apelou igualmente a Teerão para que os libertasse "sem demora".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um ano depois da morte de Masha Amini

Legislativas antecipadas mergulham França na incerteza política sem primeiro-ministro no horizonte

Centenas festejam em Paris na noite da segunda volta das eleições francesas