EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Supremo Tribunal decide que Trump tem alguma imunidade e adia julgamento

Apoiantes de Trump
Apoiantes de Trump Direitos de autor Jacquelyn Martin/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jacquelyn Martin/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Supremo Tribunal decidiu, pela primeira vez, que os ex-presidentes têm alguma imunidade, enviando o processo criminal contra Donald Trump para um tribunal de primeira instância, o que o coloca fora de julgamento antes das eleições de novembro.

PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos divulgou, esta segunda-feira, uma decisão determinando que o ex-presidente Donald Trump conta com imunidade presidencial limitada em relação aos atos tomados enquanto ocupava o Salão Oval da Casa Branca.

Com isso, o republicano pode reivindicar imunidade criminal por algumas das ações que tomou nos últimos dias enquanto presidente.

"De acordo com nossa estrutura constitucional de poderes separados, a natureza do poder presidencial dá ao ex-presidente o direito à imunidade absoluta de processo criminal por ações dentro dos limites da sua autoridade constitucional conclusiva e preclusiva", escreveu o presidente do Supremo Tribunal, John Roberts, para o tribunal. "E tem direito, pelo menos presumivelmente, a imunidade de acusação por todos os seus atos oficiais. Não há imunidade para atos não oficiais".

Numa decisão histórica de 6-3, os juízes enviaram o caso de Trump de volta ao tribunal de primeira instância para determinar o estado da acusação do procurador especial Jack Smith contra o antigo presidente.

Esta decisão provavelmente atrasaráainda mais o julgamento que ele enfrenta por acusações criminais federais de tentar reverter o resultado das eleições de 2020.

Roberts foi acompanhado pelos outros cinco juízes conservadores, enquanto os três juízes liberais discordaram. "A decisão de hoje de conceder imunidade penal a ex-presidentes reformula a instituição da presidência. É um escárnio ao princípio, fundamental para a nossa Constituição e para o nosso sistema de governo, de que ninguém está acima da lei", escreveu a juíza Sonia Sotomayor numa declaração de voto negativa com palavras fortes.

Sonia Sotomayor, que leu em voz alta um resumo da sua dissidência no tribunal, afirmou que a proteção concedida aos presidentes pelo tribunal "é tão má como parece e não tem mérito". Numa publicação nas suas redes sociais, Trump celebrou a decisão, considerando-a uma "grande vitória" para a "Constituição e a democracia" dos EUA.

A decisão foi tomada mais de dois meses depois de o tribunal ter ouvido os argumentos, num processo muito mais lento do que outros casos épicos do Supremo Tribunal envolvendo a presidência, incluindo o famoso caso Watergate.

O antigo presidente republicano tem negado repetidamente qualquer irregularidade e afirmou que as acusações contra ele têm motivações políticas para impedir o seu regresso à Casa Branca.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden reafirma que ainda está na corrida para as presidenciais

Donald Trump recebido como um herói na Convenção Republicana

Donald Trump escolhe senador J. D. Vance para candidato a vice-presidente