EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polónia assina acordo de segurança com a Ucrânia e vai treinar tropas de Kiev

Polónia assina acordo de segurança bilateral com a Ucrânia
Polónia assina acordo de segurança bilateral com a Ucrânia Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O anúncio foi feito durante a visita de Volodymyr Zelensky a Varsóvia. Kiev vai abater míssies russos com destino à Polónia, enquanto Varsóvia vai treinar soldados ucranianos.

PUBLICIDADE

A Ucrânia e a Polónia comprometeram-se a reforçar a cooperação em matéria de segurança através da aplicação de uma série de medidas. O anúncio foi feito durante a visita de Volodymyr Zelensky a Varsóvia, onde o presidente ucraniano se reuniu com o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, e o presidente Andrzej Duda.

Kiev vai abater mísseis russos com destino à Polónia, enquanto Varsóvia vai treinar soldados ucranianos, tendo por base este acordo de segurança.

“Nós, polacos, ajudamos a Ucrânia não só por causa da nossa amizade e solidariedade, mas também por causa dos nossos próprios interesses bem compreendidos. Quem defende a Ucrânia hoje, também se defende a si próprio”, disse Donald Tusk, citado pela AP.

A Polónia é o último país a assinar um acordo de segurança bilateral com a Ucrânia, depois dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França e outros países da União Europeia.

O encontro em Varsóvia aconteceu um dia antes da próxima cimeira da NATO, que se vai realizar em Washington e onde se irá discutir a segurança e o apoio militar à Ucrânia a longo prazo, dois anos após a invasão em grande escala da Rússia.

Já o novo governo dos Países Baixos reforçou o seu apoio à Ucrânia, declarando que vai fornecer aviões F-16 ao país, embora não tenha especificado em que data. A Ucrânia espera que estes aviões de fabrico norte-americano ajudem a proteger melhor as suas tropas e cidades face aos bombardeamentos russos.

O primeiro-ministro cessante dos Países Baixos, Mark Rutte, vai iniciar as funções como secretário-geral da NATO no início de outubro.  

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia e Lituânia apelam ao apoio da UE e da NATO para defender as suas fronteiras

Trincheiras da guerra na Ucrânia chegam ao grande ecrã no festival de cinema de Karlovy Vary

Guerra na Ucrânia domina debate a três em França