EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Atenas quer acordo global sobre situação financeira até ao fim de maio

Atenas quer acordo global sobre situação financeira até ao fim de maio
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE / Reuters / Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O ministro grego das Finanças disse, em Paris, que que pretende encontrar um acordo global sobre a situação financeira de Atenas até “ao fim de

PUBLICIDADE

O ministro grego das Finanças disse, em Paris, que que pretende encontrar um acordo global sobre a situação financeira de Atenas até “ao fim de maio”.

Yanis Varoufakis garantiu que, entretanto, a Grécia “não vai pedir novos empréstimos” aos credores. A capital francesa é a primeira etapa de uma digressão europeia para procurar apoios para aliviar a dívida grega.

A França está aberta ao diálogo mas, como a Alemanha, frisou que não haverá um novo perdão.

Depois do encontro, o ministro francês das Finanças frisou que “não é possível reconstruir um país, sem que o sistema fiscal seja justo. É preciso lutar contra a fraude fiscal e contra a otimização fiscal. É um combate que é conduzido na Europa e a nível internacional, no seio do G20. Mas é, evidentemente, algo absolutamente necessário também para a Grécia”.

Varoufakis disse que, até ao fim de fevereiro, Atenas vai apresentar propostas detalhadas.

O responsável das Finanças da Grécia afirmou que “se nos sentarmos no mesmo lado da mesa e colocarmos o problema do outro lado, o sucesso é garantido, numa Europa com tanto espaço para prosperidade mútua. Começando em Paris, o recentemente eleito governo [grego] teve a primeira oportunidade para transmitir aos parceiros a sua determinação para virar a página, de uma forma que defenda em primeiro lugar os interesses da Europa e em segundo os da Grécia, da França e de todos os outros”.

Varoufakis, que abre o caminho para a digressão posterior do primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, passará por Roma e Londres e mostrou-se disposto a ir a Berlim e à sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt, para explicar a posição de Atenas sobre a dívida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa